Defesa e elogio do trabalho escravo

Perante o editorial de José Manuel Fernandes intitulado «O Sindicato corporativo», o presidente do Conselho Deontológico do SJ, Oscar Mascarenhas, enviou ao público uma réplica, que aquele jornal inseriu na edição e 30 de Março de 2001, com o título «Sobre o trabalho escravo e quem o elogia» .… Ler mais

Informação e audiências

Perante os abusos cometidos no sentido de fazer depender a informação das audiências, o jornalista Oscar Mascarenhas, presidente do Conselho Deontológico do SJ, fez uma análise da relação existente entre estas duas componentes da comunicação social. Tal análise foi apresentada numa comunicação ao 3.º Encontro de Jornalistas do Norte de Portugal e da Galiza, que se realizou em 28 de Outubro de 2000.… Ler mais

Programa de acção 2001/2002

O Conselho Deontológico eleito para o biénio 2001/2002, além de se declarar numa linha de continuidade do anterior, igualmente presidido pelo jornalista Oscar Mascarenhas, apresentou um programa de acção em torno de uma ideia-força: a dicotomia Sindicato/Deontologia só enfraquece, a dialética Sindicato/Deontologia só fortalece.… Ler mais

Como actuar perante rituais em lugares públicos

Como devem comportar-se os jornalistas quando, em serviço de reportagem nos lugares públicos, são confrontados com determinados rituais, como por exemplo manifestações de pesar, minutos de silêncio, audição do hino nacional, palmas e outras situações análogas? O Conselho deontológico analisou o problema e faz algumas recomendações.… Ler mais

Em defesa da confidencialidade das fontes

A propósito de um caso em que o ministro Armando Vara desmentiu a informação que ele próprio veiculou junto da Rádio Renascença, o Conselho Deontológico elaborou uma recomendação em que defende o princípio da confidencialidade das fontes, mesmo quando estas se manifestam traiçoeiras e manipuladoras. E explica porquê.… Ler mais

Quebra de segredo profissional no «Caso Moderna»

O Conselho Deontológico, na decorrência de uma proposta da Direcção do SJ no sentido de realizar um inquérito disciplinar ao procedimento de três jornalistas do DN, por eventual violação do segredo profissional durante a investigação do chamado «caso Moderna», elaborou um relatório em que determina «uma severa reprovação» aos três jornalistas.… Ler mais

Reportagens feitas por estudante de jornalismo

Em resposta à consulta do Conselho de Redacção de um periódico cujo director o consultara sobre a publicação de um conjunto de trabalhos feitos por estudantes de jornalismo, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas foi de parecer que tal publicação só deveria efectuar-se com um enquadramento perfeitamente esclarecedor para o público.… Ler mais

Conferências de imprensa disfarçadas para excluir

Perante a eventualidade (sobretudo na área desportiva) de conferências de Imprensa travestidas de declarações por «convites» com o evidente objectivo de excluir jornalistas ou orgãos de informação, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas recomenda o comportamento a seguir.… Ler mais

Colaboração por avença em publicação municipal

Consultado sobre a eventual incompatibilidade do exercício da profissão de jornalista com as de colaborador/redactor de uma publicação municipal, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas elaborou um parecer em que realça como valor a acautelar a independência do jornalista, por forma a que o mesmo não possa ser acusado de escrever «por conta de…»… Ler mais

Identificação de jornalistas pelo nome profissional

A duplicação de nomes de jornalistas ou a sua deficiente identificação, gerando confusões de que, oportunisticamente, alguns se aproveitam com desprestígio para todos, determinou o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas a recomendar o procedimento adequado.… Ler mais

Fronteiras entre informação e publicidade

Em resposta ao pedido de esclarecimento de um jornalista que manifestou relutância em participar num trabalho de «informação comercial», o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas emitiu um parecer em que definiu as fronteiras entre informação e publicidade.… Ler mais

Os cidadãos comuns têm direitos a respeitar

Perante um conjunto de situações em que cidadãos comuns foram submetidos a pressões de jornalistaqs que não respeitaram o seu direito à imagem, ao bom nome e à reserva da intimidade, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas considerou-se na obrigação de formular doutrina numa recomendação a propósito.… Ler mais

Subordinação de jornalistas a não jornalistas

Analisando um caso concreto ocorrido na agência Lusa e que lhe foi apresentado pelo respectivo Conselho de Redacção, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas emitiu um parecer reconhecendo que os jornalistas podem e devem exigir que quem editorialmente os enquadre esteja habilitado com título profissional ou de equiparado.… Ler mais

Votações pelo telefone mascaradas de sondagem

Perante a frequente realização de passatempos radiofónicos e televisivos, mediante votações pelo telefone mascaradas de sondagens, inquéritos e consultas à opinião pública, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas achou-se na obrigação de esclarecer publicamente o assunto com uma recomendação.… Ler mais

Utilização abusiva de trabalhos de agências

Na análise de um caso que lhe foi apresentado, mas que se sabe ser paradigmático de uma situação infelizmente frequente, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas recomenda o procedimento a seguir na transcrição de despachos de agências noticiosas, considerando que fazê-lo com outra assinatura assume características de plágio.… Ler mais

Notícias sobre desinteresse em contratações

A circunstância de se noticiar com frequência que certas entidades não estão interessadas na contratação de determinadas figuras (desportistas, artistas, jornalistas) sem que estas figuras tenham previamente mostrado interesse em ser contratadas, viola preceitos que determinaram o Conselho Deontológico a fazer uma recomendação.… Ler mais

Os jornalistas e a «publicidade institucional»

Perante a consulta de um jornalista que fora convidado por uma entidade do Estado a ceder gratuitamente a sua voz para «spots» institucionais, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas definiu as circunstâncias em que tal cedência será ou não compatível , em termos deontológicos e legais, com o exercício da profissão.… Ler mais

Código Deontológico dos Jornalistas, 1993

Os jornalistas portugueses regem-se por um Código Deontológico que aprovaram em 4 de Maio de 1993, numa consulta que abrangeu todos os profissionais detentores de Carteira Profissional. O texto do projecto havia sido preliminarmente discutido e aprovado em Assembleia Geral realizada em 22 de Março de 1993.… Ler mais