Categoria: Notícias

SJ condena despedimento coletivo na TSF Madeira 

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) repudia o despedimento coletivo dos três jornalistas da TSF Madeira, anunciado hoje pela empresa gestora Notícias 2000 FM, que integra o Grupo Diário de Notícias. O SJ exorta a empresa a explicar como pretende manter uma rádio de informação sem jornalistas e a esclarecer se, para resolver o problema, pretende recorrer a jornalistas do DN Madeira para substituírem os profissionais dispensados da rádio. O SJ apela ainda à solidariedade dos jornalistas do DN Madeira, no sentido de não aceitarem substituir os jornalistas agora dispensados. A Direção Nacional do SJ está em contacto permanente com a Direção Regional da Madeira, no sentido de assegurar todo o apoio necessário, e prestará o devido apoio as jornalistas afetados.

Concurso sobre prevenção e combate ao sexismo dirigido a estudantes

A Plataforma portuguesa para os Direitos das Mulheres (PpDM) lançou um concurso para trabalhos sobre prevenção e combate ao sexismo, dirigido a estudantes da Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa (ESCS). Em parceria com a Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa e com a colaboração da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) e do Sindicato dos Jornalistas (SJ), o concurso “rePARAR o Sexismo!” tem como objetivo promover a conscientização dos/as mais jovens para a problemática do sexismo e as suas manifestações. Cada participante deverá produzir uma mini-reportagem em vídeo sobre as manifestações de sexismo que podem ocorrer numa das nove áreas identificadas na Recomendação do Conselho da Europa, designadamente justiça, ensino, trabalho, cultura, desporto, esfera privada, linguagem e comunicação, internet e comunicação social. O regulamento encontra-se aqui (https://plataformamulheres.org.pt/regulamento_reparar_o_sexismo_2021-2/) e as candidaturas estão abertas até 31 de maio. O trabalho vencedor receberá um prémio pecuniário, no valor de 300 euros, e um conjunto de até cinco ler mais

SJ condena agressões contra jornalistas na Guiné-Bissau

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condena as agressões contra jornalistas na Guiné-Bissau e acompanha o Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social da Guiné-Bissau (Sinjotecs) na exigência de que sejam apuradas responsabilidades. O mais recente caso de agressão envolve o bloguista e jornalista com carteira profissional portuguesa António Aly Silva, que foi sequestrado e espancado na terça-feira, no centro de Bissau, em pleno dia. O SJ apoia a exigência manifestada pelo Sinjotecs junto do Ministério Público guineense para que abra “uma investigação séria” ao sucedido. O SJ já manifestou solidariedade ao Sinjotecs, que também integra a Federação Internacional de Jornalistas, na defesa da liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau. Infelizmente, esta mais recente agressão não é um caso isolado e as organizações da sociedade civil guineenses têm denunciado diversas violações dos direitos humanos contra ativistas, políticos, deputados e jornalistas.

SJ acompanha “preocupação” sobre liberdade de imprensa em Macau

O Sindicato dos Jornalistas acompanha a “enorme preocupação” manifestada pela Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) perante o conteúdo de notícias que foram publicadas na imprensa local relativas a novas orientações editoriais a serem implementadas na Teledifusão de Macau (TDM) e transmitidas aos jornalistas numa reunião que teve lugar a 10 de março.Entre essas orientações estarão a proibição de “divulgar informação ou opiniões contrárias às políticas do governo central” da República Popular da China e o apoio às medidas adotadas pela Região Administrativa Especial de Macau.“O ponto em questão é particularmente preocupante na medida em que colide com o pluralismo informativo e a busca do contraditório – princípios basilares da atividade profissional dos jornalistas”, denuncia a AIPIM, em comunicado publicado na sua página oficial no Facebook.“Acresce que gera um clima de incerteza e receio, o qual tem um impacto muito negativo no trabalho do jornalista”, assinala a associação, que tem estatuto de observador na Federação Internacional ler mais

SJ denuncia insultos a jornalista no Estádio do Dragão

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) denuncia e condena as agressões verbais sofridas por um jornalista no Estádio do Dragão, após o jogo entre o Futebol Clube do Porto e o Sporting. O jornalista em causa foi humilhado pelo treinador do Futebol Clube do Porto e insultado pelo assessor de comunicação do mesmo clube. Após este episódio, presenciado em direto por milhões de pessoas e in loco por vários jornalistas presentes na sala de imprensa do estádio, o jornalista tinha à sua espera um outro funcionário do clube, que continuou com os insultos. Já no exterior da zona destinada à imprensa, encontravam-se vários elementos da estrutura portista e os insultos prosseguiram. O jornalista foi ainda perseguido por um assessor, ao longo de vários metros, sempre sendo alvo de agressões verbais. O SJ denuncia esta tentativa de assédio ao jornalista e realça que uma sala de imprensa é um espaço de liberdade, onde as questões podem e devem ser feitas, e não ler mais

Jornalistas de “A Bola” sem subsídio de Natal

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) está cada vez mais preocupado com a situação que estão a viver os jornalistas de A Bola, A Bola TV e Auto Foco, que, depois de não terem recebido o subsídio de férias, veem agora a empresa a não pagar o subsídio de Natal, violando o estipulado no Código do Trabalho. O atropelo aos direitos dos trabalhadores seria sempre grave, mas torna-se inaceitável quando cerca de 70 profissionais da Sociedade Vicra Desportiva (detentora do jornal A Bola e da revista Auto Foco) e da Sociedade Vicra Comunicações (proprietária de A Bola TV) estão desde março em lay off, com uma violenta redução salarial, de mais de dois terços. Tendo em conta a violação dos deveres da empresa e constituindo a falta de pagamento dos subsídios de férias e Natal uma contraordenação laboral grave, o SJ fez uma exposição à ACT (Autoridade para as Condições do Trabalho), esperando que esta entidade possa agir o mais rapidamente ler mais

SJ presente em nova concentração contra despedimento no GMG

No dia em que vai decorrer a segunda reunião de informação e negociação relativa ao processo de despedimento coletivo no Global Media Group, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) far-se-á representar, de novo, reafirmando a sua solidariedade, na concentração convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores das indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte) para esta quinta-feira. Trata-se da segunda ação de denúncia pública de um despedimento que envolve 81 trabalhadores, entre os quais 17 jornalistas, do DN, JN, O Jogo e outras publicações. O SJ reafirma que esta é uma decisão inaceitável,  sobretudo porque ocorre depois de o GMG ter recorrido a apoios do Estado, nomeadamente ao layoff simplificado aplicado a cerca de 530 trabalhadores.  O SJ reafirma que o layoff não pode servir para financiar despedimentos.  O SJ não aceita que sejam sempre os trabalhadores a pagar a fatura dos erros de gestão e junta-se solidariamente à iniciativa do Site-Norte. O protesto está agendado para quinta-feira, 10 de ler mais

Protesto contra despedimento coletivo no Global Media Group

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) está solidário com a concentração convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte) em protesto contra o despedimento coletivo no Global Media Group. O despedimento em causa envolve 81 trabalhadores, entre os quais duas dezenas de jornalistas e muitos trabalhadores do setor gráfico do DN, JN, O Jogo e outras publicações. O SJ reafirma que esta é uma decisão inaceitável, sobretudo porque ocorre depois de o GMG ter recorrido a apoios do Estado, nomeadamente ao layoff simplificado, aplicado a cerca de 530 trabalhadores.  O SJ contesta – e fê-lo junto do Governo – que o layoff sirva, na prática, para financiar despedimentos.  O SJ assinala ainda que a pandemia não justifica, por si só, as dificuldades económicas do GMG. Em boa verdade, estas existiam antes da crise sanitária e decorrem de erros de gestão.  O SJ não aceita que a fatura desses erros seja paga pelos trabalhadores ler mais

SJ condena ameaças a jornalistas durante manifestação

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condena e lamenta as ameaças de que foram alvo alguns jornalista, em serviço para o Observador, para a SIC e para a RTP, pelo menos, durante o protesto dos empresários da restauração, este sábado, no Rossio, em Lisboa, conforme é noticiado na pagina online deste órgão de comunicação social.  Vivemos todos tempos difíceis, mas a insegurança ou a revolta não podem justificar nunca ameaças aos jornalistas, que estão no desempenho da sua missão de informar. De resto, não fossem os jornalistas e os protestos não teriam eco na população. Perante o sucedido, o SJ insta a direção do Observador a agir em conformidade, ou seja, a apresentar queixa às autoridades competentes na defesa do jornalista.  O SJ espera ainda que a própria Polícia de Segurança Pública (PSP), apesar de ter assegurado a integridade física do jornalista, atue em conformidade em relação a quem ameaça, na medida em que este episódio configura um crime público.  As imagens que ler mais