Categoria: Nas redações

SJ condena agressões contra jornalistas na Guiné-Bissau

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condena as agressões contra jornalistas na Guiné-Bissau e acompanha o Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social da Guiné-Bissau (Sinjotecs) na exigência de que sejam apuradas responsabilidades. O mais recente caso de agressão envolve o bloguista e jornalista com carteira profissional portuguesa António Aly Silva, que foi sequestrado e espancado na terça-feira, no centro de Bissau, em pleno dia. O SJ apoia a exigência manifestada pelo Sinjotecs junto do Ministério Público guineense para que abra “uma investigação séria” ao sucedido. O SJ já manifestou solidariedade ao Sinjotecs, que também integra a Federação Internacional de Jornalistas, na defesa da liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau. Infelizmente, esta mais recente agressão não é um caso isolado e as organizações da sociedade civil guineenses têm denunciado diversas violações dos direitos humanos contra ativistas, políticos, deputados e jornalistas.

SJ acompanha “preocupação” sobre liberdade de imprensa em Macau

O Sindicato dos Jornalistas acompanha a “enorme preocupação” manifestada pela Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) perante o conteúdo de notícias que foram publicadas na imprensa local relativas a novas orientações editoriais a serem implementadas na Teledifusão de Macau (TDM) e transmitidas aos jornalistas numa reunião que teve lugar a 10 de março.Entre essas orientações estarão a proibição de “divulgar informação ou opiniões contrárias às políticas do governo central” da República Popular da China e o apoio às medidas adotadas pela Região Administrativa Especial de Macau.“O ponto em questão é particularmente preocupante na medida em que colide com o pluralismo informativo e a busca do contraditório – princípios basilares da atividade profissional dos jornalistas”, denuncia a AIPIM, em comunicado publicado na sua página oficial no Facebook.“Acresce que gera um clima de incerteza e receio, o qual tem um impacto muito negativo no trabalho do jornalista”, assinala a associação, que tem estatuto de observador na Federação Internacional…

SJ presente em nova concentração contra despedimento no GMG

No dia em que vai decorrer a segunda reunião de informação e negociação relativa ao processo de despedimento coletivo no Global Media Group, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) far-se-á representar, de novo, reafirmando a sua solidariedade, na concentração convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores das indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte) para esta quinta-feira. Trata-se da segunda ação de denúncia pública de um despedimento que envolve 81 trabalhadores, entre os quais 17 jornalistas, do DN, JN, O Jogo e outras publicações. O SJ reafirma que esta é uma decisão inaceitável,  sobretudo porque ocorre depois de o GMG ter recorrido a apoios do Estado, nomeadamente ao layoff simplificado aplicado a cerca de 530 trabalhadores.  O SJ reafirma que o layoff não pode servir para financiar despedimentos.  O SJ não aceita que sejam sempre os trabalhadores a pagar a fatura dos erros de gestão e junta-se solidariamente à iniciativa do Site-Norte. O protesto está agendado para quinta-feira, 10 de…

Protesto contra despedimento coletivo no Global Media Group

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) está solidário com a concentração convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte) em protesto contra o despedimento coletivo no Global Media Group. O despedimento em causa envolve 81 trabalhadores, entre os quais duas dezenas de jornalistas e muitos trabalhadores do setor gráfico do DN, JN, O Jogo e outras publicações. O SJ reafirma que esta é uma decisão inaceitável, sobretudo porque ocorre depois de o GMG ter recorrido a apoios do Estado, nomeadamente ao layoff simplificado, aplicado a cerca de 530 trabalhadores.  O SJ contesta – e fê-lo junto do Governo – que o layoff sirva, na prática, para financiar despedimentos.  O SJ assinala ainda que a pandemia não justifica, por si só, as dificuldades económicas do GMG. Em boa verdade, estas existiam antes da crise sanitária e decorrem de erros de gestão.  O SJ não aceita que a fatura desses erros seja paga pelos trabalhadores…

SJ denuncia jornalistas ‘temporários’ na TVI

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) enviou uma queixa à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), denunciando a existência de duas dezenas de jornalistas contratados através de empresas de trabalho temporário na TVI/Media Capital. A queixa baseia-se em elementos fornecidos pela delegada sindical e pela comissão de trabalhadores da TVI, que o SJ recebeu na quarta-feira. O assunto foi, entretanto, noticiado publicamente (https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/tvi-tem-mais-de-20-jornalistas-de-empresas-de-trabalho-temporario). Na queixa, o SJ assinala que os referidos trabalhadores ‘temporários’ prestam serviço em igualdade de circunstâncias, sujeitos a escalas, horários e responsabilidades em tudo iguais aos trabalhadores do quadro da TVI/Media Capital. A denúncia desta situação torna-se ainda mais urgente no atual contexto, de novos acionistas e contratações. O SJ recorda que os jornalistas da TVI/Media Capital não têm progressão salarial significativa há vários anos, nem plano de carreiras acordado, que possam nivelar os desequilíbrios salariais existentes. O SJ assinala que, no atual quadro de investimento na empresa, é fundamental existir um acordo de empresa, que estabeleça…