Categoria: Notícias/Internacional

Por um jornalismo livre e independente. SJ assinala Dia Mundial da Imprensa

A crise pandémica e económica expôs as dificuldades existentes na comunicação social e exacerbou as tendências recentes e preocupantes em matéria de garantias de liberdade de imprensa, segurança dos jornalistas e pluralidade do Jornalismo. O confinamento impediu muitas vezes o acesso à informação, e às fontes de informação, com o pretexto da proteção sanitária. Práticas que o Sindicato dos Jornalistas (SJ) contestou desde o início e que não podem normalizar-se, sob pena de comprometerem a liberdade de imprensa ainda mais. O cenário só não foi pior porque o SJ conseguiu junto das autoridades sanitárias, como a DGS, garantir o acesso de OCS regionais às conferências daquele órgão público, numa altura em que estas eram fundamentais para os portugueses, e alargar o total de jornalistas permitidos em eventos desportivos, por exemplo. A pandemia agudizou as dificuldades financeiras dos media portugueses, com o encerramento de vários órgãos de comunicação social, nomeadamente regionais, com as consequências para a coesão territorial que tal representa, ler mais

SJ em Cabo Verde para assinalar Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) vai participar na celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, a 3 de maio, na cidade da Praia, a convite da Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde (Ajoc), com o apoio da União Europeia em Cabo Verde. Com o tema “Jornalismo em tempos de pandemia”, a conferência-debate contará com uma intervenção de abertura do Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca. Seguir-se-ão três painéis de debate, com vários oradores, entre os quais a presidente da Direção do SJ, Sofia Branco. O Programa completo pode ser consultado aqui

Portugal é 9.º no Índice Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Portugal ocupa a 9.ª posição no Índice Mundial da Liberdade de Imprensa 2021, tendo subido um lugar em relação ao ano passado. O relatório, elaborado pelos Repórteres Sem Fronteiras (RSF) com base num inquérito feito em 180 países, mostra que houve, em termos globais, uma degradação dramática da liberdade de imprensa devido à pandemia de covid-19. A classificação mostra ainda que o jornalismo está comprometido em 73 daqueles 180 países e está seriamente restringido noutros 59 Estados. Os RSF consideram que os governos aproveitaram a crise sanitária para “bloquear o acesso dos jornalistas à informação, fontes e reportagens”. A organização diz que a justificação foi utilizada na Ásia, no Médio Oriente e na Europa. Os Repórteres Sem Fronteiras sublinham também que houve um recuo na confiança do público no jornalismo, revelando que 59% das pessoas inquiridas em 28 países consideraram  que os jornalistas “tentam iludir o público de forma deliberada, divulgando informação que sabem ser falsa”. Pelo quinto ano consecutivo, a Noruega ler mais

SJ condena agressões contra jornalistas na Guiné-Bissau

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condena as agressões contra jornalistas na Guiné-Bissau e acompanha o Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social da Guiné-Bissau (Sinjotecs) na exigência de que sejam apuradas responsabilidades. O mais recente caso de agressão envolve o bloguista e jornalista com carteira profissional portuguesa António Aly Silva, que foi sequestrado e espancado na terça-feira, no centro de Bissau, em pleno dia. O SJ apoia a exigência manifestada pelo Sinjotecs junto do Ministério Público guineense para que abra “uma investigação séria” ao sucedido. O SJ já manifestou solidariedade ao Sinjotecs, que também integra a Federação Internacional de Jornalistas, na defesa da liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau. Infelizmente, esta mais recente agressão não é um caso isolado e as organizações da sociedade civil guineenses têm denunciado diversas violações dos direitos humanos contra ativistas, políticos, deputados e jornalistas.

SJ acompanha “preocupação” sobre liberdade de imprensa em Macau

O Sindicato dos Jornalistas acompanha a “enorme preocupação” manifestada pela Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) perante o conteúdo de notícias que foram publicadas na imprensa local relativas a novas orientações editoriais a serem implementadas na Teledifusão de Macau (TDM) e transmitidas aos jornalistas numa reunião que teve lugar a 10 de março.Entre essas orientações estarão a proibição de “divulgar informação ou opiniões contrárias às políticas do governo central” da República Popular da China e o apoio às medidas adotadas pela Região Administrativa Especial de Macau.“O ponto em questão é particularmente preocupante na medida em que colide com o pluralismo informativo e a busca do contraditório – princípios basilares da atividade profissional dos jornalistas”, denuncia a AIPIM, em comunicado publicado na sua página oficial no Facebook.“Acresce que gera um clima de incerteza e receio, o qual tem um impacto muito negativo no trabalho do jornalista”, assinala a associação, que tem estatuto de observador na Federação Internacional ler mais

Comissão Europeia reconhece que pandemia “evidenciou riscos” para jornalistas 

A vice-presidente executiva da Comissão Europeia para os Valores e Transparência, Věra Jourová, reconheceu que a pandemia de covid-19 “evidenciou os riscos” para os jornalistas, sendo preciso “melhorar a segurança” destes profissionais nos 27 Estados-membros da União Europeia. Numa intervenção no debate “Rumo a um setor de comunicação social saudável”, no âmbito da conferência ‘Media4Europe’, organizada pelo Europe’s MediaLab, a responsável considerou que a covid-19 “demonstrou, mais do que nunca, o papel fundamental dos jornalistas na informação e no desempenho da democracia”. Apesar disso, a insegurança a que estes profissionais estão sujeitos é crescente, alertou, apresentando um relatório europeu que revela que “873 jornalistas ou profissionais do setor dos ‘media’ foram atacados em 22 Estados-membros em 2020” e que “73% das mulheres jornalistas em todo o mundo sofreram violência ‘online’ durante o seu trabalho”. Věra Jourová adiantou que a principal prioridade de Bruxelas é, por isso, garantir a segurança dos jornalistas. Ao mesmo tempo, exortou os Estados-membros a investirem no setor da comunicação social ler mais

Webinar sobre Liberdade de Imprensa

O Parlamento europeu organiza no próximo dia 27 de novembro, às 10h00  um webinar com os eurodeputados membros da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos. Os deputados Isabel Santos, Paulo Rangel e Nuno Melo são moderados por Pedro Cordeiro, jornalista do semanário “Expresso”. O debate é aberto e pode ser acompanhado na página do Facebook do Parlamento Europeu ou no estúdio virtual do Parlamento Europeu em Portugal.

O Parlamento Europeu apresenta hoje o prémio de jornalismo Daphne Caruana Galiza.

A cerimónia do prémio decorrerá online esta sexta-feira, das 12:30 às 13:00 (hora de Bruxelas, menos uma em Lisboa), na página do Facebook do Parlamento Europeu (PE). A vice-presidente do PE, Hedi Hautala (Verdes, Finlândia), e o eurodeputado David Casa (PPE, Malta) vão conduzir a cerimónia. O filho da jornalista homenageada, Andrew Caruana Galizia, vai participar remotamente, a partir de Malta. O público poderá colocar questões aos oradores. O prémio, que irá distinguir o jornalismo que reflita os princípios e valores da União Europeia, é lançado por ocasião do terceiro aniversário do assassínio da jornalista de investigação maltesa. Daphne Caruana Galiza, jornalista de investigação e blogger maltesa, foi morta num atentado com um carro armadilhado, a 16 de outubro de 2017. Dedicava-se ao jornalismo de investigação, denunciando casos de corrupção governamental, branqueamento de capitais e crime organizado. O Parlamento Europeu irá dar início, em breve, ao processo de seleção de uma organização independente que irá estabelecer os critérios para a atribuição do prémio ler mais

Abertas candidaturas para jornalismo de investigação

O fundo IJ4EU lançou duas novas convocatórias para a apresentação de projetos de jornalismo de investigação transnacional na União Europeia (UE) e nos países candidatos à UE.
A convocatória prevê verbas entre €5.000 a € 50.000 para novos projetos de investigação transnacionais. O prazo final para a entrega de candidaturas é 14 de Junho de 2020. A convocatória terá uma segunda chamada em Agosto 2020.

SJ pede explicações sobre bloqueio a jornalistas na fronteira com Espanha

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) pediu explicações ao Ministério da Administração Interna para o facto de uma equipa de reportagem da agência de notícias Lusa – devidamente credenciada – ter sido impedida de passar a fronteira com Espanha, em Ayamonte, Castro Marim (Algarve), no dia 7. Ao que o SJ apurou, foi comunicado à equipa da Lusa que a circulação de jornalistas não está prevista no acordo de cooperação entre Portugal e Espanha, em vigor para o período de pandemia. Foi ainda dito que os jornalistas portugueses não podem entrar em Espanha, tal como os jornalistas espanhóis não podem entrar em Portugal. O SJ não compreende os argumentos utilizados e recorda que muitos outros profissionais dos dois países estão autorizados a atravessar a fronteira comum. Por isso, o SJ considera que tal decisão representa um ataque à liberdade de imprensa. O atual contexto de emergência não pode servir de pretexto para impor limitações injustificadas e abusivas, sendo fundamental assegurar que ler mais