Etiqueta: democracia

Ministra da Justiça garante respeito pela liberdade de imprensa

A ministra da Justiça garantiu hoje ao Sindicato dos Jornalistas (SJ) o total respeito pela liberdade de imprensa e pelo princípio da igualdade entre órgãos de comunicação social, na sequência de queixas por parte de jornalistas relacionadas com restrições no acesso à informação. Francisca Van Dunem recebeu o SJ em audiência, a seu pedido, efetuado imediatamente após o comunicado publicado a 8 de setembro em que o SJ dava conta de impedimentos no acesso à conferência de imprensa de apresentação da estratégia de combate à corrupção 2020-24, organizada pelo Ministério da Justiça. Francisca Van Dunem reconheceu que a iniciativa teve “problemas de organização” e “dificuldades de ordem técnica, que impossibilitaram as perguntas à distância” por parte dos jornalistas que não tinham sido convidados a estarem presentes na sala onde a estratégia foi apresentada, com limitações de espaço maiores em tempo de pandemia. A ministra assinalou que se tratou de “uma conjugação infeliz de circunstâncias” e assegurou que “não houve, nem ler mais

SJ condena ação de Joacine Katar Moreira

O Sindicato dos Jornalistas ( SJ) não compreende a atitude hoje tomada pela deputada do Livre, Joacine Katar Moreira, de pedir proteção à GNR, dentro da Assembleia da República, de forma a impedir os jornalistas de a questionarem. A decisão da deputada atenta contra a liberdade de imprensa e revela uma prática anti-democrática tomada dentro da própria Casa da Democracia. Os jornalistas têm direito a exercer a sua profissão, a qual implica o acesso a fontes e protagonistas das notícias, através da colocação de perguntas. A atitude da deputada do Livre é grave e não se coaduna com o cargo para o qual foi mandatada. O SJ espera que o Presidente da Assembleia da República tome as devidas medidas para que o caso não se repita. O SJ considera, ainda, fundamental que as direções dos órgãos de comunicação social – não apenas dos diretamente visados no sucedido hoje, mas de todos, porque hoje são uns e amanhã serão outros – ler mais

#destavezeuvoto: Masterclass Porto

sdr A crise dos migrantes, os Estados securitários, o discurso do medo, os nacionalismos e os media online foram alguns dos assuntos debatidos na iniciativa do Sindicato de Jornalistas (SJ), realizada na Universidade do Porto.  Perante uma plateia de alunos de Ciências de Comunicação, o historiador Manuel Loff, orador da segunda masterclass sobre Europa, realizada na Universidade do Porto, traçou o percurso histórico da Europa desde o pós-II Guerra Mundial até à criação e consolidação da União Europeia. Manuel Loff fez uma abordagem da União Europeia em si mesma, desprovida do contexto externo, nomeadamente no que diz respeito ao seu relacionamento com os Estados Unidos e com a Rússia. Na análise, o historiador refletiu e questionou alguns dos assuntos que deverão dominar a campanha das eleições europeias de maio, nomeadamente a crise dos refugiados, o discurso do medo como justificação para os Estados-membros adotarem medidas de reforço da segurança que colocam em causa a liberdade e a privacidade dos cidadãos, a maior ler mais

A Comunicação Social e as fronteiras da democracia

Sessão debate hoje às 21h30. O Núcleo do Porto da Associação Conquistas da Revolução realiza hoje, dia 8 de Março, às 21h30, no auditório da FESETE – Federação dos Sindicatos Têxteis, Vestuário e Calçado, uma sessão debate sobre a comunicação social e as fronteiras da democracia. A sessão terá como intervenientes, Rui Pereira, investigador e docente universitário, e os jornalistas, Alfredo Maia, Luís Miguel Loureiro, Sofia Branco e Valdemar Cruz. Será moderador Jorge Sarabando, coordenador do Núcleo do Porto da ACR.

Uma Europa com menos ódio

Políticos, jornalistas e investigadores juntaram-se no SJ para discutir os perigos do discurso do ódio para a democracia e para os media Jesús Carmona, diretor para os  Media do Parlamento Europeu, José Manuel Pureza, deputado e professor universitário, Marisa Torres da Silva, professora universitária e investigadora e Luzia Moniz, jornalista e presidente da Paderna (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana), moderados pela presidente do Sindicato dos Jornalistas, Sofia Branco, juntaram-se esta segunda-feira, 25, na Casa da Imprensa, em Lisboa, para discutir um dos maiores problemas europeus da atualidade: o discurso de ódio. Um debate especialmente premente com a aproximação das eleições europeias, marcadas para 26 de maio. A responsabilidade pode ser repartida por políticos, meios de comunicação e jornalistas, já que, defendeu Sofia Branco, quem ouvimos e a forma como ouvimos aqueles que entrevistamos pode fazer a diferença. Mas importa também ter em conta que a precarização é um dos incentivos ao discurso do ódio. José Manuel Pureza identificou ler mais