BBC condenada por desigualdade salarial

A jornalista-pivô Samira Ahmed ganhou uma batalha judicial contra a estação televisiva britânica BBC, que acusava de desigualdade salarial, imputando o seu menor salário ao facto de ser mulher.

A apresentadora do programa Newswatch recorreu aos tribunais para acusar a televisão pública de discriminação e defender um valor pelo seu trabalho igual ao de Jeremy Vine, que apresentava um programa de conteúdo semelhante, mas recebia um ordenado superior.

Numa decisão histórica, um tribunal de Londres deu razão a Samira Ahmed, considerando que o seu trabalho tinha “igual valor” ao de Jeremy Vine.

Vine recebia cerca de 3.600 euros por programa e Ahmed cerca de 700 euros. Os juízes consideraram a diferença “impressionante” e criticaram a falta de transparência e de coerência na política salarial da BBC.

Na defesa do seu caso, Samira Ahmed contou com o apoio do sindicato nacional de jornalistas NUJ (na foto, Samira Ahmed está à direita e Michelle Stanistreet, secretária-geral do NUJ, está à esquerda).

Esta decisão judicial foi já considerada determinante pelo Conselho de Género da Federação Internacional de Jornalistas, que espera que mais mulheres jornalistas reivindiquem a igualdade salarial em tribunal.

María Ángeles Samperio, presidente do Conselho de Género da Federação Internacional de Jornalistas, vincou: “A vitória de Samira é uma vitória para todas nós e devemos sentir-nos encorajadas por ela. A desigualdade salarial atravessa todos os media. O que a Samira e o Sindicato a que pertence conseguiram alcançar devia ser replicado em todo o mundo. É tempo de ação!”.

Esta decisão aumenta a pressão para que a BBC resolva todos os casos relacionados com desigualdade salarial que chegaram a público há dois anos, quando 170 funcionárias da BBC denunciaram a uma comissão parlamentar britânica que recebiam menos do que os homens para o mesmo trabalho.

Desde 1970 que a lei britânica estabelece que homens e mulheres têm direito a salário igual por trabalho igual.