Sindicatos franceses lutam pela independência jurídica das redacções

Lutar por uma modificação legislativa que “garanta a independência jurídica das redacções” e pela inclusão dos códigos deontológicos internacionais no contrato colectivo do sector são as razões que levam os vários sindicatos de jornalistas franceses a trabalhar em conjunto pela primeira vez em quinze anos.

O primeiro conjunto de “propostas concretas” será apresentado numa reunião a realizar em Paris a 4 de Outubro, um mês antes da manifestação que se está a preparar para 5 de Novembro diante da Assembleia Nacional, no âmbito da Jornada de Acção Europeia pelos Direitos dos Jornalistas.

“Nunca a profissão esteve tão mal desde 1946”, considerou David Larbre, do Sindicato Nacional dos Jornalistas (SNJ), em nome dos diversos sindicatos presentes (SNJ, SNJ-CGT, USJ-CFDT, SJ-CFTC, SPC-CFE-CGC e SJ-FO), sublinhando que actualmente “dois terços dos franceses não confiam nos jornalistas”, pelo que “é necessário decidir o que queremos fazer do nosso ofício perante as dificuldades económicas e políticas que não nos permitem exercê-lo bem”.