Recolher obrigatório dificulta trabalho jornalístico em França

A imposição por 12 dias do Estado de emergência e do recolher obrigatório nocturno como formas de conter a violência nas maiores cidades francesas poderá tornar ainda mais difícil o trabalho da imprensa no país, afirma a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ).

“Estas medidas duras poderão limitar a liberdade de expressão e vão dificultar o trabalho dos jornalistas”, afirmou Aidan White, secretário-geral da organização, para quem “a crise francesa não será resolvida com acções que limitem o acesso dos média a locais problemáticos”, dado que “tal só irá criar uma atmosfera de maior ignorância e incerteza”.

Para a FIJ, a decisão do governo francês – que decidiu aplicar uma lei de emergência de 1955 usada pela última vez aquando da guerra de independência da Argélia – não facilita o trabalho dos jornalistas que pretendam efectuar reportagens devidamente contextualizadas sobre o que se está a passar e assim contribuir para uma melhor compreensão das causas por detrás destes motins.