Protestos no “El Mundo” por aumentos salariais

Os trabalhadores do jornal espanhol “El Mundo” iniciaram uma série de concentrações diárias de meia hora à porta do periódico como forma de protesto contra a proposta de aumentos salariais da empresa, que consideram insuficiente.

Apesar das contas de 2004 serem as melhores de sempre – com 40 milhões de euros de resultado operativo, que se traduzem em 18 milhões de euros de benefícios líquidos – a oferta da empresa Unedisa é pior do que no anterior convénio, que foi firmado durante a maior crise do “El Mundo”, quando este registou perdas importantes e rescindiu amigavelmente com mais de cem funcionários.

A Unedisa pretende dar apenas o aumento salarial relativo ao Índice de Preços ao Consumo (IPC) e quer que o bónus que a equipa recebe em função dos lucros fique dependente do cumprimento dos objectivos traçados para o período de vigência do novo acordo.

Os trabalhadores argumentam que, comparando com a situação do anterior acordo, esta proposta vai diminuir drasticamente o montante que cabe a cada trabalhador, pelo que, a 25 de Abril, fizeram uma paragem de 30 minutos à porta do jornal.

Se até dia 28 a empresa não chamar a comissão de trabalhadores para apresentar nova proposta, as concentrações à entrada do “El Mundo” passarão a ser de uma hora e, caso a situação persista, a partir de 2 de Maio serão tomadas medidas mais contundentes.