Jornalistas irlandeses recusam-se a revelar fontes em tribunal

Geraldine Kennedy, editora do “The Irish Times”, e Colm Keena, correspondente de assuntos públicos do mesmo título, recusaram-se a revelar ao Tribunal de Mahon a fonte de uma fuga de informação relativa a pagamentos recebidos pelo primeiro-ministro Bertie Ahern no início da década de 1990.

O caso denunciado pelo “The Irish Times” tem constituído uma dor de cabeça para o governante, que recebeu um empréstimo no valor de 50 mil euros de empresários amigos enquanto exercia as funções de ministro das Finanças, em 1993 e 1994, bem como um pagamento de oito mil libras (cerca de 12 mil euros) por uma palestra em Manchester, o que poderá ter infringido as regras do ministério.

A defesa do sigilo profissional por parte dos jornalistas foi aplaudida pelo secretário irlandês do Sindicato Nacional dos Jornalistas da Grã-Bretanha e Irlanda (NUJ), Séamus O’Dooley, para quem “as recentes revelações sublinham a necessidade de uma Carta das Fontes de Informação” e colocam em questão alguns dos conteúdos previstos no projecto da Lei da Privacidade, que será discutida em breve no parlamento.