Jornalista francês instado a revelar fontes

Os serviços secretos franceses revistaram, a 6 de Setembro, a casa do repórter Guillaume Dasquié, em busca de dados que permitissem identificar as fontes de um artigo publicado a 17 de Abril no “Le Monde”, onde se afirmava que a inteligência gaulesa soube

O jornalista, interrogado durante algumas horas – acerca do artigo do “Le Monde” e sobre as fontes de documentos relativos ao assassinato em 1995 do magistrado francês Bernard Borrel, no Djibuti –, recusou nomear quem lhe passou a informação. É agora acusado de “comprometer a segurança nacional”, incorrendo numa pena máxima de cinco anos de prisão e uma multa de 75 mil euros.

O caso suscitou protestos da Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e da Federação Europeia de Jornalistas (FEJ), tendo esta última instado as autoridades francesas a “aprovar com urgência uma lei de protecção das fontes” que está prometida há vários anos.

A organização sindical lembrou também que a França já foi várias vezes condenada pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos por casos similares a estes, em que tentou descobrir fontes jornalísticas usando da força.