Jornal encerrado pelas autoridades na Bielorrússia

Agentes do KGB e da polícia bielorrussa confiscaram, a 24 de Março, quatro computadores e o material de impressão do semanário independente “Zhoda”, alegando que o jornal, que tem uma tiragem de cinco mil exemplares, tinha instalado a sua redacção ilegalmente.

Para a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), o argumento utilizado pelos agentes é “espúrio” e visa apenas pôr fim “aos poucos jornais independentes” que ainda resistem na Bielorrússia.

As autoridades, que actuaram sem mandado, apresentaram-se como um “grupo de investigadores” que actuava na sequência de uma queixa contra o periódico e terão alegado que o jornal era subversivo e crítico do chefe de Estado.

O editor do “Zhoda”, Alexei Karol, acredita que a apreensão dos quatro computadores, sem os quais a publicação não pode executar o seu sexto número, se deve ao facto do jornal ter publicado entrevistas com membros da oposição.

O “Zhoda” já havia sido encerrado pelo ministro da Informação entre 5 de Fevereiro e 5 de Março, sob a acusação de que a morada com que estava registado diferia daquela que estava a ser utilizada para a produção do jornal.