Impasse salarial na Lusa

A administração da Lusa mantém a posição de actualizar a tabela salarial para o ano de 2002 em apenas um por cento, recusando-se reatar as negociações com o Sindicato dos Jornalistas. Em reunião de conciliação efectuada em 3 de Setembro, o SJ propôs a criação de um Fundo de Pensões para os jornalistas da empresa.

A pedido do Sindicato dos Jornalistas, realizou-se a 3 de Setembro de 2002, no Ministério da Segurança Social e do Trabalho, uma reunião de conciliação com a administração da Lusa, com o objectivo de ultrapassar o impasse criado pela decisão unilateral da empresa de encerrar as negociações para a revisão da tabela salarial de 2002.

Alegando dificuldades económicas, a Lusa, representada na reunião pelo seu director de Recursos Humanos, manteve inalterável a decisão de proceder à actualização da tabela salarial em um por cento, valor acordado com dois sindicatos minoritários, e rejeitou reatar as negociações com o Sindicato dos Jornalistas, amplamente maioritário na empresa, onde os jornalistas representam dois terços dos trabalhadores.

Numa tentativa de desbloquear o impasse, o SJ propôs à Lusa a criação de um Fundo de Pensões para os Jornalistas, no qual a empresa comparticiparia com o correspondente a três por cento do salário médio dos jornalistas.

O SJ solicitou que a resposta da empresa a esta proposta fosse dada em sede de conciliação do Ministério da Segurança Social e do Trabalho, se possível durante a primeira quinzena de Setembro, tendo em conta que os jornalistas vão reunir-se em plenário a partir dessa data, para decidirem as medidas a tomar na defesa dos seus legítimos interesses.