Greve no “Il Messaggero”

A redacção do “Il Messaggero” levou a cabo a 4 de Setembro o primeiro de cinco dias de greve, como forma de protesto contra diversas atitudes da empresa, entre as quais a reforma compulsiva antecipada de alguns jornalistas, feita “com base numa interpretação polémica do contrato nacional”.

A luta que se trava neste título suscitou já mensagens de solidariedade da Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI), do Sindicato de Cronistas Romanos (SCR), da União Nacional de Cronistas Italianos (UNCI) e de uma quinzena de jornalistas estrangeiros enviados ao Festival Internacional de Veneza.

Na mensagem enviada por estes últimos, a situação foi considerada “um rude golpe para a profissão jornalística e não apenas em Itália”, uma vez que esta prática faz parte de uma lógica económica que também é seguida noutros países e que “limita drasticamente a liberdade de informação”.

Confrontada com o comunicado da redacção que convocou a acção de protesto, a empresa considerou que “não é oportuno e produtivo responder ao documento sindical”, e alega ter “simplesmente aplicado uma norma do contrato nacional de trabalho jornalístico”.