Sindicatos espanhóis criticam censura à revista “Jueves”

A Federação de Sindicatos de Jornalistas (FeSP) de Espanha manifestou-se contra a apreensão do número 1573 da revista satírica “Jueves”, decretada a 20 de Julho, por a considerar uma “medida desproporcionada”, que não ocorria “desde épocas pré-democráticas”.

A organização considera que a atitude adequada para reagir ao conteúdo eventualmente excessivo ou ofensivo da publicação – que trazia na capa uma caricatura dos Príncipes das Astúrias em posição sexual – seria um processo judicial, “nunca o arresto da publicação”.

“Um caso como o que nos ocupa teria um melhor tratamento se existisse em Espanha um Conselho da Informação ou da Comunicação, que analisasse em primeiro instância se tinha havido uma atentado aos direitos constitucionais, e se estes colidiam ou não com o também constitucional direito à informação”, sugere a FeSP.

Além da apreensão da maioria dos exemplares da revista física, decretada pelo juiz Juan del Olmo, a “Jueves” também foi impedida de difundir no seu website a polémica capa com a caricatura dos príncipes, um desenho que critica a medida natalista do governo de Zapatero de dar 2500 euros por cada filho através de uma frase de Felipe: “Dás-te conta? Se te engravidar, isto vai ser o mais parecido com trabalho que já tive na vida…”

Na sua edição mais recente a revista respondeu à censura com humor, colocando em manchete ‘Rectificamos! Esta era a capa que queríamos publicar!’ e fazendo de Felipe uma abelha e de Letizia uma flor.