Sindicatos agendam quatro dias de greve na BBC

Os sindicatos britânicos NUJ, BECTU e Amicus anunciaram a 12 de Maio que vão levar a cabo quatro dias de greve contra os planos de cortes orçamentais e laborais na BBC, tendo já avançado com datas para os três primeiros.

As acções de protesto estão marcadas para 23 de Maio (24 horas) e para 31 de Maio e 1 de Junho (48 horas), ficando para mais tarde o anúncio de qual será o quarto dia de paralisação.

“O plano de cortes selvagem de Mark Thompson é pesado, impulsivo e desnecessário. Um em cada cinco empregos está ameaçado. A qualidade e os padrões não conseguem sobreviver a semelhante massacre. Ele semeou a raiva e a descrença entre o pessoal da BBC”, afirmou o secretário-geral do NUJ, Jeremy Dear, convicto de que os trabalhadores da empresa vão aderir em peso às paralisações.

O mesmo dirigente sindical considera ainda “lamentável que se tenha chegado a este ponto”, mas diz que a BBC ainda tem uma saída fácil para a situação: “conceder uma moratória de 90 dias sobre as alterações, garantir que quaisquer despedimentos necessários sejam voluntários, proteger os termos e condições de quais empregos que possam ser privatizados ou subcontratados e negociar devidamente com os sindicatos”.

Esta greve na BBC tem o apoio total da Federação Europeia de Jornalistas (FEJ) e da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), a qual vai organizar em Junho um debate especial para discutir a situação na BBC e a crise do audiovisual em Itália, aquando do encontro internacional do Comité Executivo da FIJ.