Sindicato surpreendido com reacção da AID

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) estranha a reacção da Associação de Imprensa Diária (AID) ao pré-aviso de greve e lembra que os motivos da paralisação de dia 10 nada têm a ver com o acordo celebrado este ano em sede de conciliação.

Em comunicado, o SJ lembra que a greve é um meio através do qual as associações sindicais e os trabalhadores podem tomar posição sobre questões que afectam a sua actividade e condições de trabalho. O sindicato afirma que a recuperação da capacidade negocial com a AID não pode condicionar a autonomia de nenhuma das associações.

É o seguinte o texto integral do comunicado do Sindicato dos Jornalistas:

COMUNICADO

“O Sindicato dos Jornalistas (SJ) foi surpreendido com a reacção da Associação da Imprensa Diária (AID) ao pré-aviso de greve apresentado no passado dia 4, porquanto:

“a) Os motivos invocados não se prendem directamente com o acordo celebrado finalmente este ano – em sede de conciliação no Ministério do Trabalho – entre o SJ a AID;

“b) Os motivos radicam na situação de ofensiva em muitas empresas contra os direitos e garantias dos jornalistas, traduzida numa ofensa à Lei e às normas convencionais em vigor, bem como, e sobretudo, na convicção de que, a ser aprovada, a proposta de Código do Trabalho agravaria mais ainda tais condições;

“c) A greve é uma das possibilidades das associações sindicais e os trabalhadores tomarem posição sobre questões que afectem ou possam vir a afectar a sua actividade e as suas condições de vida e trabalho.

“d) A circunstância de ter sido recuperada a efectiva capacidade de negociação entre estas duas associações não pode condicionar a autonomia de nenhuma delas, nem o Sindicato aceitaria renunciar às suas atribuições e competências em matérias como as que estão em causa”.