Saúde de jornalista preso em Espanha inspira preocupações

O estado de saúde do repórter Tayseer Allouni, da cadeia televisiva Al Jazeera, está a deteriorar-se no regime de solitária em que se encontra desde que foi preso, há dois meses, por acusações de terrorismo, noticiou a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ).

Segundo declarações da mulher do jornalista à FIJ, Tayseer Allouni fica isolado vinte horas por dia e não pode falar com ninguém nas quatro horas em que lhe é permitido sair da cela.

Para tentar comprovar eventuais más condições de detenção, os advogados do jornalista solicitaram às autoridades espanholas a realização de exames médicos completos por parte de especialistas em problemas cardíacos e de coluna, mas dizem não ter recebido qualquer resposta a esses pedidos.

Sírio de nascimento e espanhol por naturalização, Tayseer Allouni tornou-se conhecido pelo seu trabalho no Afeganistão ao serviço da Al Jazeera durante 2002 e foi preso pela primeira vez em 2003, por suspeitas de ligações à Al Qaeda.

Dois meses após a detenção, e apesar da gravidade das acusações, o jornalista foi libertado devido a problemas cardíacos, mas voltou a ser preso preventivamente em Novembro de 2004.

Tayseer Allouni é acusado de ter usado a sua condição de jornalista para transportar dinheiro e mensagens entre membros da Al Qaeda, mas alega que as provas contra ele se baseiam em conversas telefónicas mal traduzidas e mal interpretadas.