Média e política devem ser separados em Itália

Assim que a controvérsia em torno dos resultados das eleições em Itália terminar, o novo governo deve dar prioridade máxima a acções que permitam manter a política fora das redacções de uma vez por todas, defende a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ).

Depois de Itália ter sido, durante anos, palco de um conflito de interesses que envolvia Silvio Berluconi – presidente do conselho de ministros e chefe da família que controla a Mediaset, o maior império privado de média do país, e que na prática controlava quase todo o espectro televisivo italiano –, a FIJ considera que chegou a altura de acabar com influências políticas indevidas no serviço público.

“Durante anos, Itália sofreu de uma cultura de interferência política no sector da radiodifusão, e todos os grupos políticos exerceram influências indevidas no modo de funcionamento dos média. Isso também deve mudar. Itália deve voltar a um serviço normal – com distanciamento profissional entre o trabalho dos políticos e o dos média”, argumenta Aidan White, secretário-geral da FIJ.