Má gestão afecta qualidade do jornalismo na Grécia

Os patrões da imprensa grega, tanto no sector público como no privado, estão a “destruir o jornalismo de qualidade” no país com os seus despedimentos e práticas de gestão, acusou a Federação Europeia de Jornalistas (FEJ).

Alguns dos sinais desta “profunda crise” da comunicação social grega são os meses de salários em atraso em alguns jornais e televisões, os despedimentos no serviço de imprensa do governo, a não renovação de contratos de trabalho nos média estatais e a imposição de condições de flexibilidade nos contratos de trabalho e ameaças aos direitos sociais dos jornalistas.

“Não há forma de iludir a gravidade da crise. Os jornalistas gregos estão a ser vítimas da má gestão e dos cortes, que estão a destruir o jornalismo de qualidade e a liberdade de imprensa na Grécia”, afirmou Aidan White, secretário-geral da FEJ.

A organização demonstrou ainda o seu apoio aos dez sindicatos gregos do sector da comunicação social que pretendem levar a cabo acções conjuntas de defesa dos direitos dos trabalhadores dos média.