Jornalista julgado por satirizar presidente russo

Vladimir Rakhmankov, chefe de redacção do sítio noticioso Kursiv, começou a ser julgado a 21 de Setembro sob a acusação de insultar Vladimir Putin, no âmbito da campanha do presidente russo para incrementar a taxa de natalidade no país.

Num artigo publicado em Maio, o jornalista colocou como título “Putin como símbolo fálico da Rússia” e satirizou o objectivo do presidente de aumentar a população, o que foi considerado insultuoso à luz do código penal russo e pode conduzir a um ano de “trabalho correctivo”.

De acordo com fontes locais, os procuradores públicos terão avançado com a acusação ao jornalista sem o envolvimento de Vladimir Putin ou de representantes da presidência.

Para Joel Simon, director-executivo do Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ), é inaceitável que os procuradores usem a lei penal para castigar um jornalista por ter escrito um comentário sobre um político, até porque “a sátira é um elemento essencial do discurso democrático”.