Jornalista brutalmente agredido na Rússia

O jornalista Viktor Naikhin, correspondente dos jornais “Moë” e “Komsomolskaya Pravda”, de Moscovo, foi brutalmente atacado em Voronezh a 8 de Março, quando cobria as eleições locais e regionais.

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) considerou o ataque “cobarde” e exige que o procurador-geral e o ministro do Interior investiguem se a agressão está relacionada com o trabalho do jornalista político, mais conhecido pelo pseudónimo de Viktor Baker.

A 8 de Março o jornalista foi contactado por um antigo colega de profissão, actualmente a trabalhar num canal televisivo de Gubernia, para discutirem as filmagens que acabara de fazer. O colega chegou acompanhado de três outros indivíduos, na casa dos 30 anos, e sugeriu-lhe que filmasse um determinado ângulo da campanha eleitoral de Voronezh.

Face à recusa de Viktor Naikhin, dois dos indivíduos que acompanhavam o seu antigo colega começaram a agredi-lo violentamente, a exigir-lhe dinheiro e a ordenar-lhe que “deixasse os políticos em paz”, embora sem indicarem exactamente a quem se referiam.

A agressão ao jornalista, que demorou cerca de 40 minutos, deixou-o inconsciente, com três costelas partidas, contusões no rosto e temporariamente impossibilitado de usar a mão direita.

Foram também roubados ao jornalista o disco rígido do computador, o gravador, a câmara digital, o telemóvel, o cartão de crédito e 2.000 rublos.

Até ao momento os atacantes não foram identificados e a polícia nem sequer questionou o antigo colega de Viktor Naikhin, apesar deste estar claramente identificado.