Greve em Itália com adesão quase total

A Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) anunciou que os dois dias de greve da passada semana tiveram uma adesão novamente superior a 90%, tendo em algumas redacções atingido os 100%.

“Os jornalistas italianos demonstraram ter compreendido o que está em jogo, que é a sua independência e o papel da profissão no sistema de comunicação”, afirmou em comunicado a direcção da FNSI, que se reunirá a 17 de Novembro com representantes das associações regionais de imprensa para decidir a modalidade das novas acções de protesto contra a falta de abertura negocial da Federação Italiana de Editores de Jornais (FIEG), das empresas de televisão e de rádio locais (Aeranti-Corallo) e da agêncai para o emprego público (Aran).

A FNSI aproveitou a ocasião para exprimir também a sua solidariedade para com os jornalistas do “Giornale di Sicilia” e do “Mattino” que, além dos dois dias de greve nacional, levaram a cabo um terceiro dia de protesto, como forma de mostrar o seu repúdio pelas tentativas da direcção de ambos os jornais em interferir no conteúdo editorial através de métodos ilegítimos.