Dois jornalistas dinamarqueses em risco de serem presos

Jesper Larsen e Michael Bjerre, jornalistas do título dinamarquês “Berlingske Tidende”, foram detidos e interrogados a 26 de Abril e vão ser julgados por “publicação de informação obtida ilegalmente por um terceiro”, enfrentando uma pena de seis meses de prisão.

Após dois anos de investigação, os procuradores do reino da Dinamarca decidiram avançar com um processo contra os jornalistas que expuseram a falta de informações credíveis em que o governo dinamarquês se baseou para apoiar a invasão do Iraque em 2003.

Os dois jornalistas receberam a informação das mãos do agente Frank Soeholm Grevil, ligado aos serviços secretos militares dinamarqueses, que em 2005 foi condenado a quatro meses de prisão por ter protagonizado a fuga de informação.

“Estes jornalistas estão a ser vitimizados por terem tornado pública informação que põe em causa uma importante decisão de política externa e que embaraçou o governo”, afirmou Aidan White, secretário-geral da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ). A organização já escreveu ao Comissário Europeu da Justiça, Franco Frattini, apontando este caso como exemplo da forma como os governos estão a impor restrições inaceitáveis aos média sob a capa da luta mundial contra o terrorismo.

Por seu turno, o Sindicato dos Jornalistas Dinamarqueses admite levar o caso perante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, por violação do Artigo 10º da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, que consagra a liberdade de expressão, informação e de imprensa.