Dois dias de greve no “Il Giornale di Sicilia”

Os jornalistas do “Il Giornale di Sicilia” cumpriu a 23 e 24 de Maio dois dias de paralisação contra “os duros ataques da direcção do jornal aos organismos sindicais da empresa e da região”, esclareceu em comunicado o Conselho de Redacção daquele título italiano.

Este protesto deveu-se à posição crítica da direcção relativamente a uma nota de solidariedade, subscrita pelo conselho de redacção do jornal e pelo secretário regional da Assostampa (a associação de jornalistas da região), para com um colaborador que havia sido ameaçado por um político local.

A direcção alega que deveria ter tido conhecimento prévio da nota antes desta ter sido difundida no jornal, algo que a redacção contesta por considerar que não faz sentido ter de informar acerca de todas as tomadas de posição dos jornalistas. Além disso, “o comunicado da Assostampa e do conselho de redacção do jornal foi enviado às agências e não entregue à redacção”, esclareceu Daniele Billitteri, secretário regional da Assostampa.

Pronunciando-se sobre o assunto, a Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) considerou que os jornalistas do mais antigo diário siciliano agiram correctamente ao convocar os dois dias de greve “na defesa da própria autonomia e da prática sindical, que foram incrivelmente colocadas debaixo de fogo”.