“Charlie Hebdo” em tribunal devido a caricaturas de Maomé

Começa hoje, 7 de Fevereiro, o julgamento do processo interposto pela Grande Mesquita de Paris e pela União de Organizações Islâmicas de França contra o semanário satírico francês “Charlie Hebdo”, que é acusado de tentar atingir deliberadamente a comunidade muçulmana através da publicação de um número especial com caricaturas de Maomé, entre as quais estavam as do jornal dinamarquês “Jyllands-Posten”.

Os queixosos solicitam 30 mil euros de indemnização e a publicação de passagens-chave da sentença no “Charlie Hebdo”, que publicou a referida edição especial uma semana depois dos desenhos terem saído a 1 de Fevereiro no “France Soir” e provocado o despedimento do editor do diário Jacques Lefranc.

Considerando este julgamento como “um teste à liberdade de expressão em França”, a Repórteres Sem Fronteiras (RSF) expressou o seu apoio incondicional ao “Charlie Hebdo” na sua luta pelo direito à sátira e espera que os tribunais protejam este princípio, tal como o fizeram os juízes dinamarqueses que a 26 de Outubro de 2006 inocentaram os editores do “Jyllands-Posten” e consideraram os cartoons como não ofensivos para muçulmanos.