Autoridades continuam a obstruir justiça no caso Gongadze

Um relatório publicado pela Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), pelo Sindicato Nacional de Jornalistas da Grã Bretanha e Irlanda (NUJ), pela Fundação Gongadze e o Instituto de Informação de Massas (IMI) acusa o novo governo ucraniano de continuar a obstruir a investigação ao assassinato do jornalista Gyorgy Gongadze, morto há cinco anos.

“As pessoas que autorizaram o assassinato brutal de Gongadze continuam a percorrer os corredores do poder em Kiev. E não haverá uma democracia real na Ucrânia enquanto não houver justiça neste caso”, afirmou Aidan White, secretário-geral da FIJ.

De acordo com o relatório, apenas quem teve intervenção directa na morte do jornalista está a ser responsabilizado, enquanto os poderosos que instigaram e autorizaram o crime continuam soltos, apesar da mudança operada no governo ucraniano com a eleição de Viktor Yushchenko, que elegeu como uma das suas prioridades a resolução deste caso.

Apesar das promessas, a investigação continua a ser negligente e acusa apenas um grupo de funcionários do Ministério do Interior, escusando-se a aproximar-se das chefias, acusam as várias organizações que colaboraram na realização deste relatório, que é uma actualização de um outro publicado em Janeiro.