Ataques à liberdade de imprensa aumentam na Ucrânia

O aumento súbito dos ataques à liberdade de imprensa e a jornalistas individuais na Ucrânia levou a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) a escrever uma carta aberta aos políticos ucranianos, demonstrando preocupação com a situação actual e instando a que os mandantes do assassinato do jornalista Georgy Gongadze, morto há seis anos, fossem punidos.

A sucessão de casos que motivou a carta da FIJ começou em Agosto, com o rapto de correspondentes da Nashe Radio no dia 9, em plena luz do dia, no centro de Kiev, tendo os jornalistas sido levados para uma zona de floresta, onde foram agredidos.

No dia seguinte, Fiodor Saliy, director da empresa de radiodifusão crimeia Foros, foi agredido e uma equipa da Channel Five TV foi impedida de aceder a uma conferência de imprensa do novo primeiro-ministro, Viktor Yanukovich.

Entretanto, as autoridades de Kiev anunciaram que o acesso dos jornalistas a determinados locais e eventos passaria a estar condicionado, e o deputado Oleg Kalashnikov, do actual partido do governo, saiu impune de uma agressão brutal a uma equipa de reportagem da STB TV.

Considerando que o recente aumento dos ataques contra jornalistas resulta do fracasso em punir os mandantes do assassinato de Georgy Gongadze, a FIJ instou a classe política ucraniana a pressionar para que os culpados fossem encontrados, pois a impunidade “apenas serve para encorajar mais actos de intimidação, agressão e assassinato”.