Acção em memória de 211 jornalistas mortos na Rússia

Cerca de 400 pessoas participaram a 17 de Dezembro numa acção dedicada à memória dos 211 jornalistas assassinados na Rússia nos últimos quinze anos, realizada na Praça Pushkin, no centro de Moscovo.

Dos 211 jornalistas assassinados, 109 foram mortos durante os mandatos do ex-presidente Boris Ieltsin, enquanto 102 foram mortos desde que Vladimir Putin chegou ao poder há sete anos.

Segundo o Sindicato de Jornalistas da Rússia, o objectivo desta acção era “prestar homenagem aos colegas assassinados e lembrar à sociedade que a violência contra pessoas que têm como única arma a escrita, é vergonhosa e inadmissível”.

Depois da leitura da lista dos jornalistas assassinados, os manifestantes fizeram um minuto de silêncio e, por fim, o dirigente sindical Vselovod Bogdanov declarou que “nada mais há a dizer”, terminando por aí a acção, que foi fortemente vigiada pela polícia, cujo número de efectivos no local superava o de manifestantes de acordo com vários relatos.

Além da presença maciça, a polícia cercou a praça com grades e obrigou todos os manifestantes a passar por detectores de metais, sendo que houve um grupo de participantes que só conseguiu ultrapassar a barreira policial depois de ter aceite enrolar as bandeiras e baixar os cartazes com os retratos de vários jornalistas assassinados, especialmente de Anna Politkovskaya, morta a 7 de Outubro.