Trinity Mirror ameaça com cortes de pessoal

O grupo britânico de imprensa Trinity Mirror alertou que poderá vir a efectuar cortes nos postos de trabalho devido a receios económicos, não obstante os lucros da empresa continuarem a exceder os 250 milhões de libras (365 milhões de euros).

O anúncio mereceu críticas do Sindicato Nacional de Jornalistas do Reino Unido e Irlanda (NUJ), que já convocou para o início de Dezembro uma reunião nacional dos delegados sindicais do grupo Trinity Mirror, com vista a debater formas de luta, das quais não está excluída a possibilidade de greve.

“Apesar de uma subida de 20% nos lucros operacionais, de um aumento de 5,8% nas receitas e de poupanças líquidas na ordem dos 23 milhões de libras (cerca de 34 milhões de euros), a ganância dos accionistas do grupo Trinity ainda não está satisfeita”, afirmou Jeremy Dear, secretário-geral do NUJ.

O mesmo dirigente acrescentou ainda que, “não contente com o cancelamento das festas de Natal dos trabalhadores, o grupo está agora a criar um clima de medo e incerteza em toda a empresa. Os interesses a curto prazo dos accionistas estão a ser colocados à frente dos interesses a longo prazo dos jornais”.

Por esse motivo, Jeremy Dear aconselha o Trinity Mirror a repensar a sua estratégia e investir nos títulos para ganhar novos leitores, em vez de ponderar cortes que apenas vão prejudicar a qualidade editorial dos jornais e levar mais leitores a afastarem-se destes”.