Síntese do parecer do CD sobre queixa de A. Ferreira dos Santos contra o “Correio da Manhã”

Síntese do parecer do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas sobre queixa apresentada por António Ferreira dos Santos contra o Correio da Manhã.

A 12 de Abril de 2010 o Conselho Deontológico (CD) recebeu uma queixa de representantes legais de António Ferreira dos Santos contra o jornal Correio da Manhã (CM), exigindo “reposição da verdade e reparação da lesão do bom nome”, tendo como base notícias daquele jornal dos dias 29 e 30 de Março.

A queixa reporta a dois artigos que mereceram chamada de primeira página, onde o CM dava conta de uma investigação em torno da relação do cónego António Ferreira dos Santos com um jovem que diz ao jornal ter sido abusado pelo padre mas que o padre afirma ter sido alguém que ajudou e que depois o terá chantageado e tentado extorquir dinheiro.

Apreciada a queixa e os artigos em questão, o CD entendeu por bem pedir alguns esclarecimentos ao director do jornal, Octávio Ribeiro, ao Conselho de Redacção e aos jornalistas signatários dos artigos em causa, Secundino Cunha, Tânia Laranjo e Ana Isabel Fonseca. Director e jornalistas, em carta conjunta, escusaram-se a responder às questões do CD invocando processo judicial em curso, criticando aquele que classificam como “tom acusatório” das perguntas em causa colocadas pelo CD.

O Conselho de Redacção não se pronunciou.

Conclusão:

Feita a análise do caso exposto, o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas considera que os artigos em causa publicados no Correio da Manhã desrespeitam os pontos 1 e 2 e 7 do Código Deontológico e primam pela falta de rigor e ética profissional. A não continuidade dada à investigação agrava a posição já frágil do jornal referente ao tratamento que foi dado a este assunto.

Lembra também que é uma obrigação deontológica inscrita no código profissional o dever de repor a verdade sempre que ela falha por alguma razão, no respeito pelo ponto 5 do Código Deontológico.

Lisboa, 9 de Julho de 2010

A relatora

Ana Machado