Sindicato lamenta morte de nove jornalistas em atentado no Afeganistão

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) lamenta e condena o duplo atentado suicida em Cabul, no Afeganistão, que matou pelo menos 25 pessoas, nove das quais jornalistas.

O SJ junta-se ao apelo feito pela organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras que, esta segunda-feira, reforçou a necessidade urgente da nomeação de um representante especial das Nações Unidas para os jornalistas.

Entre os profissionais que perderam a vida neste atentado, reivindicado pelo Daesh, está o repórter fotográfico da France Presse Shah Marai, que trabalhava na agência noticiosa francesa desde 1996, e outros cinco que trabalhavam para televisões afegãs.

A organização Repórteres Sem Fronteiras atualizou recentemente o “guia prático de segurança para jornalistas”, documento destinado aos profissionais da comunicação social que trabalham em zonas difíceis.

O guia foi elaborado em conjunto com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Desde 2016, já morreram no Afeganistão 34 jornalistas e colaboradores de meios de comunicação.