Repórter impedido de cobrir aniversário de tragédia de Beslan

O repórter Yuri Bagrov, da Radio Free Europe/Radio Liberty, foi detido durante quatro horas, interrogado pelas autoridades e impedido de cobrir as cerimónias que assinalaram o primeiro aniversário da tragédia de Beslan, por alegadamente não possuir a devida acreditação.

Após sair da esquadra, um indivíduo não fardado fê-lo parar para o avisar de que enfrentaria sérios problemas se tentasse voltar a Beslan antes de dia 5 de Setembro, data em que terminam as cerimónias.

O ano passado, um tribunal russo deliberou a apreensão do passaporte e da carteira profissional do jornalista, que assim ficou sem possibilidade de viajar para longe da sua área de residência, em Vladikavkaz, que fica a cerca de 25 quilómetros de Beslan, para onde Yuri Bagrov se deslocou com outros repórteres.

Para o Comité para a Protecção dos Jornalistas, Yuri Bagrov é um “prisioneiro virtual na sua própria casa”, pelo que o presidente russo deve ordenar a devolução do passaporte e da carteira profissional do repórter, de modo a que este possa deslocar-se e exercer a sua profissão.