Relatório da ERC sobre cobertura informativa da campanha eleitoral

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) divulgou os resultados da monitorização e análise da cobertura jornalística da campanha eleitoral para as eleições legislativas antecipadas de 5 de Junho de 2011, concluindo que, durante o período oficial da campanha, apenas 7 das 17 forças concorrentes surgiram representadas em todos os 14 órgãos de comunicação social analisados.

As forças em causa foram o PSD, o PS, o CDS-PP, a CDU, o BE, o MEP e o PTP, estas duas últimas sem representação parlamentar. Já o MPT foi referido em 13 órgãos, o PAN, o PCTP/MRPP e o PND em 12, o PH em 11, o PDA, o PPV, o PPM e o POUS em 10, e o PNR em 9.

Esta informação ilustra bem a conclusão da ERC de que “os partidos/candidaturas com assento parlamentar destacam-se largamente, em número de presenças, dos restantes em todos os órgãos de comunicação social analisados, tanto no período global da análise, como no período oficial de campanha eleitoral”, de 22 de Maio a 3 de Junho.

Ainda durante a campanha, o PSD foi o partido com maior número de peças em todos os órgãos, excepto na RTP2, na TSF e no “Correio da Manhã”, em que o PS foi a força mais focada. Porém, se tomarmos como período de estudo o intervalo de 5 de Maio a 3 de Junho, de modo a incluir a pré-campanha, a tendência reforça-se, com a RTP2 a ser o único dos 14 órgãos analisados a não dar mais peças sobre o PSD.

O estudo da ERC destaca ainda que “o terceiro partido com maior número de presenças durante o período oficial de campanha eleitoral é o CDS/PP na quase totalidade dos órgãos de comunicação social analisados, com as excepções da SIC e da TSF, que conferem mais presenças à CDU”.

Os órgãos analisados neste estudo da ERC foram: a RTP1 (Jornal da Tarde e Telejornal), a RTP2 (Hoje), a SIC (Primeiro Jornal e Jornal da Noite), a TVI (Jornal da Uma e Jornal Nacional), a Antena 1 (noticiários das 19h e das 23h e jornais de campanha), a Rádio Renascença (noticiários das 12h e das 23h), a TSF (noticiários das 19h e das 23h), o “Correio da Manhã”, o “Diário de Notícias”, o “i”, o “Jornal de Notícias”, o “Público”, o “Expresso” e o “Sol”.

No total, foram analisadas 1526 peças informativas de televisão, 1027 peças de rádio e 2087 peças de imprensa. Posteriormente, a entidade reguladora complementará este relatório com os dados referentes à participação de candidatos a eleições em debates, entrevistas, comentários e outros espaços de opinião nos diversos órgãos de comunicação social, uma vez que se encontra ainda a aguardar o envio de elementos por parte dos operadores.