Raide a diário na Islândia

A polícia de Reiquejavique efectuou a 30 de Setembro um raide ao “Frettabladid”, o maior diário islandês, depois de ter sido emitida uma ordem judicial que proibia que o jornal publicasse e-mails e documentos relacionados com um escândalo que envolve um dos partidos do governo.

O escândalo em causa envolve alegadas perseguições judiciais politicamente motivadas ao grupo Baugur, dono do “Frettabladid”, por parte de elementos ligados ao Sjálfstæðisflokkurinn (Partido da Independência).

Segundo a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), este é um caso “muito complicado, que requer um alto grau de profissionalismo a quem o trate”, pelo que “a interferência oficial não ajuda”, uma vez que “os jornalistas devem ser capazes de trabalhar livremente”.

Acusando a actuação das autoridades islandesas nas redacções de “parecer uma tentativa de abafar o debate sobre um importante assunto público”, o secretário-geral da FIJ, Aidan White, afirma que esta atitude oficial “pode colocar em perigo a liberdade de imprensa”.