Patrões italianos recusam-se a negociar

A Federação Italiana de Editores de Jornais (FIEG) está indisponível para retomar as negociações com a Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI), revelou o ministro do Trabalho, Cesare Damiano, que a 12 de Julho se encontrou separadamente com delegações de ambas as organizações.

Em comunicado, o governante frisou que “face à disponibilidade manifestada pelo sindicato dos jornalistas para a reabertura das negociações, a delegação dos editores declarou que, nas actuais circunstâncias, não existe a possibilidade de regressar à mesa de negociações”, pelo que o executivo envidará esforços para procurar soluções que permitam inverter esta situação.

A FNSI reagiu à notícia considerando a recusa da FIEG como “gravíssima e incompreensível”, pois há ano e meio que o contrato colectivo anterior caducou e a situação tem vindo a deteriorar-se, com muitas publicações a não aplicarem as normas vigentes, a cancelarem as relações sindicais e a substituírem os jornalistas de férias por batalhões de colaboradores e estagiários.

Assim, a organização apela novamente a uma grande mobilização da classe para iniciativas como a manifestação na noite de 20 de Julho e a reunião de consulta às associações regionais de jornalistas no dia seguinte, para decidir as datas de seis dias de greve já proclamados e discutir novas propostas de luta.