Parecer sobre o caso “Apito Dourado”

Parecer do Conselho Deontológico relativo a reportagens do “Correio da Manh㔠sobre o caso “Apito Dourado”.

O Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas emitiu um Parecer — a pedido da Sociedade de Advogados “Gil Moreira dos Santos, Caldeira, Cernadas e Associados” — sobre um conjunto de peças jornalísticas publicadas pelo diário «Correio da Manhã» em Junho de 2007, uma delas uma crónica de Rui Cartaxana e as restantes assinadas pela jornalista Tânia Laranjo.

O CD concluiu que Tânia Laranjo infringiu princípios do artigo 1.º do Código Deontológico, o qual estatui que “O jornalista deve relatar os factos com rigor e exactidão e interpretá-los com honestidade. Os factos devem ser comprovados, ouvindo as partes com interesses atendíveis no caso. A distinção entre notícia e opinião deve ficar bem clara aos olhos do público”.

O Parecer do CD foi aprovado em Fevereiro de 2007, por maioria, com uma declaração de voto.