Morreu o jornalista Jorge Vilas

(Fotografia cedida por Adelino Meireles/Global Imagens)

Morreu Jorge Vilas, jornalista com uma longa carreira no “Jornal de Notícias”, associado número 137 do Sindicato dos Jornalistas.

Em dois momentos diferentes, Jorge Vilas esteve ligado aos órgãos sociais do Sindicato dos Jornalistas durante 14 anos. Entre 1998 e 2010, foi vice-presidente suplente da Assembleia Geral e no mandato seguinte, 2010-2012, foi vice-presidente efetivo do mesmo órgão.
Jorge Vilas nasceu em Massarelos, no Porto, a 23 de abril de 1942 (77 anos). Faleceu na quarta-feira, vítima de um AVC, em casa, em Mafamude, Gaia.
O velório terá lugar na Igreja de Paranhos, no Porto, a partir das 14 horas desta quinta-feira. O funeral, na sexta-feira, está marcado para as 14.30 horas, também em Paranhos.
Filho do jornalista Alberto Vilas, do “Jornal de Notícias” (JN), cedo tomou o gosto pelo jornalismo, tendo ingressado naquele jornal com sede no Porto depois de regressar do serviço militar, no final da década de 1960.
Reformou-se em 2004, após uma longa carreira no JN, praticamente toda na secção Grande Porto.
“Conhecedor profundo das temáticas do Porto, empenhou-se nas suas causas e tradições. Foi colaborador ativo nas festas de São João, nomeadamente nos concursos das cascatas. Também integrou a Comissão de Toponímia”, escreve o JN numa nota em que dá conta da morte de Jorge Vilas.
Após a reforma manteve a ligação a duas paixões, o jornalismo e a cidade do Porto, assinando uma crónica semanal no “Jornal de Notícias”, sob o título “Passeio Público”, visitando a redação todas as semanas.
“A forma apaixonada como vivia os temas do Porto, e sobre eles escreveu durante tantos anos, foi uma inspiração para as gerações que se lhe seguiram”, disse o diretor do “Jornal de Notícias”, Domingos de Andrade, em declarações ao site do JN.
À família e amigos, o Sindicato dos Jornalistas expressa as mais sentidas condolências.