Liberdade de imprensa em risco no Azerbaijão

A intensidade com que se vêm verificando detenções e ataques contra jornalistas no Azerbaijão levaram a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) a acusar o governo azeri de demonstrar um desrespeito chocante pela classe jornalística.

Para ilustrar a acusação, a FIJ refere a recente intervenção da polícia num encontro sobre direitos dos jornalistas realizado na capital, Baku, que só não terminou na detenção de profissionais devido ao protesto veemente dos cerca de 150 participantes na reunião, que exigiram ainda o fim da lei que permite penas de prisão para jornalistas condenados por difamação.

Tanto a FIJ como os participantes no encontro instaram o governo azeri a encontrar e punir os responsáveis pelo assassinato do chefe de redacção do “Monitor”, Elmar Huseynov, e exigiram também a libertação imediata dos jornalistas que estão presos no país e o fim dos ataques governamentais a profissionais e a órgãos de comunicação.

Considerando que “o número de jornalistas atrás das grades no Azerbaijão é impressionante e tem um efeito negativo nos média do país”, o secretário-geral da FIJ, Aidan White criticou o governo de Ilham Aliyev dizendo que este “parece querer enviar a mensagem de que fazer um jornalismo crítico pode resultar em cadeia”.