Jornalistas africanos impedidos de cobrir Cimeira Franco-Africana

A Federação Internacional de Jornalista (FIJ) apelou às autoridades francesas e ao comité organizador da 24ª Cimeira Franco-Africana para que revissem os processos de acreditação do evento de modo a acabar com as regras que impedem muitos jornalistas africanos de cobrir o acontecimento.

A FIJ junta-se assim à Associação da Imprensa Pan-Africana (APPA) e ao Sindicato Nacional de Jornalistas (SNJ) francês, que também instaram a organização a ajustar as suas regras às especificidades do evento, uma vez que se tal não acontecer serão excluídos mais de um quarto dos membros do Centro de Acolhimento da Imprensa Estrangeira (CAPE) em França.

“Infelizmente, a maioria dos correspondentes africanos não tem carteira profissional, pelo que as regras são injustas e não levam em conta a natureza particular da cimeira”, afirmou o secretário-geral da FIJ, Aidan White, acrescentando que o encontro que se realiza em Cannes entre 14 e 18 de Fevereiro deve ter uma cobertura mediática alargada e sem obstáculos administrativos à presença dos correspondentes estrangeiros.