Jornalista croata detido após rusga policial

O repórter Zeljko Peratovic foi detido e acusado de revelar segredos de Estado, após a polícia croata ter apreendido arquivos e computadores numa rusga à sua casa, em Zagreb, realizada entre as 7 e as 14 horas de 17 de Outubro.

“As casas dos jornalistas devem gozar da protecção necessária para garantir a confidencialidade das fontes, sem a qual o jornalismo não funciona devidamente”, contestou a Repórteres Sem Fronteiras (RSF), sugerindo às autoridades que investiguem os membros dos serviços nacionais de segurança para detectar a origem das fugas, em vez de assediarem jornalistas cujo trabalho é divulgar informação de interesse público.

Na Croácia, Zeljko Peratovic é conhecido pelo seu trabalho na investigação da morte de Milan Levar, uma testemunha sob protecção do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia que morreu aquando da explosão de uma bomba num carro a 28 de Agosto de 2000 em Gospic.

Distinguido com o prémio de liberdade de imprensa da secção austríaca da RSF em 2003, Zeljko Peratovic tem sido prejudicado pelo seu apego à investigação, uma vez que já foi despedido e ameaçado fisicamente, além de ser visto como um traidor por muitos compatriotas seus que se recusam a aceitar que croatas tenham cometido crimes de guerra.