Greve no “Libération” contra despedimentos

Os trabalhadores do diário francês “Libération” votaram quase por unanimidade a favor de uma greve imediata de 24 horas, como forma de protesto contra os planos da direcção que prevêem a supressão de 52 postos de trabalho.

As quedas nas vendas e nos contratos publicitários são o motivo apresentado para o plano de reestruturação que pretende despedir 28 jornalistas, 10 administrativos e 14 trabalhadores adstritos ao sítio Web e à inspecção de vendas e assinaturas. O trabalho destes últimos será subcontratado.

Malgrado o investimento de 20 milhões de euros em projectos de crescimento do diário por parte de Edouard de Rothschild – que se tornou o principal accionista do “Libération” no início de 2005 -, a empresa prevê perdas totais de cerca de 6,5 milhões de euros no final do ano.