FIJ exige liberdade de imprensa na Ucrânia

As autoridades ucranianas devem terminar com todas as formas de censura, interferência e tentativa de controlo dos média ou de intimidação dos jornalistas, que devem ter direito a cobrir livremente a segunda volta das eleições, marcada para 21 de Novembro, exigiu a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ).

No relatório “Democracia nas Notícias”, elaborado na sequência da primeira volta das eleições na Ucrânia, a 31 de Outubro, e agora divulgado, a FIJ considera ser visível que os protestos dos jornalistas durante a campanha eleitoral foram suscitados por uma cobertura dos média estatais que privilegiou o candidato do governo.

De entre os jornalistas que manifestaram o seu descontentamento, alguns foram posteriormente informados de que os respectivos contratos de trabalho não viriam a ser renovados.

Agora a FIJ solicita que todas as partes envolvidas no processo eleitoral – “as autoridades, o público, a comissão nacional de eleições, os observadores internacionais, etc” – estejam atentas a alguma tentativa de fraude do sistema, e sublinha que o livre acesso da comunicação social aos resultados do escrutínio é essencial como garante da transparência do processo.

Recorda-se que, por ocasião da primeira volta, embora os jornalistas tenham podido aceder aos postos de contagem de votos, há alegações de que falsas acreditações para a imprensa foram lançadas em vários pontos do país apenas com o intuito de dificultar o trabalho dos verdadeiros jornalistas.