FIJ acusa autoridades bielorrussas de “clima de repressão”

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) acusou as autoridades da Bielorrússia de terem criado um “clima de repressão” contra os jornalistas desde a campanha eleitoral para as presidenciais de 19 de Março.

Num relatório apresentado à Assembleia Geral da Federação Europeia de Jornalistas (FEJ), que decorreu na Eslovénia de 7 a 9 de Abril, a organização refere medidas tomadas pelas autoridades para atingir e intimidar os órgãos bielorrussos ao longo dos anos e revela as condições de trabalho quotidianas na imprensa daquele país do Leste Europeu.

Os destaques do relatório são a prisão de mais de 30 jornalistas bielorrusos e oito jornalistas estrangeiros durante ou logo após as eleições presidenciais, a censura e instumentalização dos média estatais, as tentativas de perturbar a distribuição de jornais privados durante a campanha eleitoral e, desde Janeiro, a exclusão do acesso da maioria da imprensa privada ao sistema de impressão e distribuição estatal, o que obrigou estes média a recorrer a gráficas da vizinha Rússia e ao transporte através da fronteira.

Segundo Arne König, presidente da FEJ, “a única coisa que impede o regresso total dos média ao estilo da União Soviética à Bielorrússia é a coragem e determinação dos membros da Associação de Jornalistas da Bielorrússia”.