ERC convoca assessor de Sócrates e cinco jornalistas para analisar eventuais pressões

Na sequência do artigo “Impulso irresistível de controlar”, publicado no “Expresso” de 31 de Março, o Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) convocou para audição um assessor de imprensa do primeiro-ministro, os directores do “Público”, Rádio Renascença e SIC-Notícias e dois jornalistas, um do “Expresso” e outro do “Público”.

A ERC justificou as audições com base na temática e nos factos invocados no artigo do “Expresso”, que aborda alegadas pressões exercidas pelo Governo junto da comunicação social na sequência da notícia sobre contradições no processo de licenciatura de José Sócrates na Universidade Independente, divulgada em Março pelo “Público”.

Assim, a ERC vai ouvir David Damião, assessor de imprensa de José Sócrates, os jornalistas Ricardo Dias Felner, do “Público”, e Nuno Saraiva, do “Expresso”, e ainda três dos directores de órgãos de informação citados por este último: José Manuel Fernandes (“Público”), Francisco Sarsfield Cabral (Rádio Renascença) e Ricardo Costa (SIC-Notícias).

Em declarações ao “24 Horas” de hoje, 4 de Abril, o director da SIC-Notícias deixa entender que só cede às pressões quem quer e sublinha que “o que este governo faz não é nada de novo. Fá-lo é de uma forma mais profissional e sistemática”.