Dois dias de greve em Itália

A Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) convocou uma greve de jornalistas dos diários, agências de informação, sítios Internet e da Administração Pública para os dias 30 de Setembro e 1 de Outubro, marcando ainda uma paralisação no sector radiotelevisivo para 7 e 8 de Outubro.

A decisão foi tomada por unanimidade após o falhanço nas negociações com os representantes dos patrões, dado que estes não deram garantias em relação à lei Biaggi (que introduziu medidas que limitam o perigo dos empregos precários e da exclusão social) e à lei que liberaliza os contratos a termo, além de apresentarem “aumentos salariais risíveis” e colocarem de lado a discussão relativa aos jornalistas freelance.

Os jornalistas dos diários matutinos farão greve com vista a impedir a saída de jornais a 1 e 2 de Outubro, enquanto os profissionais dos vespertinos irão evitar a publicação das edições de 30 de Setembro e 1 de Outubro.

Por seu turno, os trabalhadores dos diários gratuitos vão abster-se de trabalhar a 5 e 6 de Outubro, fazendo com que as edições de 6 e 7 de Outubro dos seus títulos não saiam, enquanto nas agências de informação e nos sítios Internet a paralisação se fará sentir entre as 7 horas de 30 de Setembro e as 7 horas de 2 de Outubro.

Por fim, os jornalistas freelance, os colaboradores e os correspondentes e os jornalistas ligados à Administração Pública fazem greve durante todo o dia a 30 de Setembro e 1 de Outubro, ao passo que os da radiotelevisão páram entre as 6 horas de 7 de Outubro e as 6 horas de 9 de Outubro.