Cenjor e SJ disponibilizam perfis de formação adequados à era digital

O Cenjor e o SJ vão disponibilizar a todos os interessados os oito perfis de formação para adaptação dos jornalistas às necessidades decorrentes da contínua digitalização da sua actividade profissional, disse Fernando Cascais, director do Cenjor, durante a apresentação dos resultados do projecto “Digitalização no Sector da Comunicação: Um Desafio para a Europa”, que decorreu hoje na Casa da Imprensa, em Lisboa.

Fernando Cascais explicou também que este projecto visou essencialmente fomentar oportunidades de formação contínua, e que por isso estes perfis de formação foram pensados para jornalistas já inseridos no mercado de trabalho e que querem aperfeiçoar as suas competências, no sentido de terem mais familiaridade com ambientes de trabalho cada vez mais digitalizados.

A apresentação do projecto, designado abreviadamente “MediaDigIT”, contou também com intervenções de José Luíz Fernandes, que se centrou nos problemas laborais e do exercício da profissão na era da digitalização dos média. Segundo José Luíz Fernandes, que é presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sindicato dos Jornalistas, vive-se presentemente um “processo de desqualificação do jornalismo” na sociedade.

Por seu lado, Carlos Correia (director do Centro de Investigação para Tecnologias Interactivas da Universidade Nova de Lisboa), o último dos oradores na sessão, proferiu uma conferência intitulada “Mass Media / Self Media: tempos de transição”. Na sua exposição, enfatizou que se vive actualmente numa sociedade da informação, mas que as pessoas aspiram à sociedade do conhecimento. Alertou também para que a “a repetição da informação em todos os meios põe em causa a sua própria existência” e deu ao Google o crédito de mostrar que “o rei vai nu” – por os seus agregadores de notícias terem evidenciado a generalizada repetição da informação nos meios de comunicação social.

O MediaDigIT, investigou o impacto da tecnologia digital na comunicação social, envolveu entidades de cinco países e decorreu entre Outubro de 2005 e Setembro de 2007. O projecto, desenvolvido no âmbito do Programa Leonardo da Vinci da UE, reuniu o SJ, o Colégio e o Sindicato de Jornalistas da Catalunha, o Sindicato dos Jornalistas de Chipre e quatro instituições de formação: o Cenjor (Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas), o Fundo de Formação da Zona Mediterrânica (Catalunha), o Centro de Educação e Formação de Rogaland (Noruega) e o Centro para o Desenvolvimento e Inovação na Educação (Roménia).