Categoria: Jornalistas e Política

Jornalistas e Política

A candidatura de jornalistas à Assembleia da República, no quadro das eleições legislativas de 17 de Março de 2002, desencadeou forte polémica na Imprensa, com especial relevância para o envolvimento do presidente do Sindicato dos Jornalistas na lista de uma coligação pelo círculo do Porto, embora em posição não elegível. O caso determinou uma declaração pública do Sindicato e vários artigos de opinião. Para que conste, aqui se registam os pontos fortes da polémica.

«Compatível, disse ela»

Ainda no âmbito da polémica sobre jornalistas e política, o director-adjunto do Público, Nuno Pacheco, escreveu naquele jornal, em 21 de Fevereiro de 2002, com o título em epígrafe. Um breve comentário a declarações feitas por Maria Elisa ao Diário Económico, na sua qualidade de candidata a deputada pelo PSD pelo círculo eleitoral de Castelo Branco.

«Sindicalismo é prática política plena»

Na secção Telecorreio, o Público de 10 de Fevereiro de 2002 inseriu, com o título acima reproduzido, um texto do jornalista Miguel Marujo, em que comenta a resposta de Oscar Mascarenhas ao editorial de António Granado. Considerando que a prática sindical é uma participação política plena, recusa todavia ao jornalista o direito de entrar no jogo político-partidário.

Divergências de fundo e de pormenor

Em nova intervenção sobre a polémica «Jornalistas e política», Oscar Mascarenhas controverte, no Público de 17de Fevereiro de 2002 , posições assumidas por Mário Mesquita, com o qual a discordância é de pormenor, e com Miguel Marujo, jornalista do PortugalDiário, com quem a divergência é manifestamente absoluta.

Participação de jornalistas nas legislativas

Na sequência de reacções suscitadas pela participação do presidente do SJ, Alfredo Maia, na lista da CDU pelo círculo do Porto às eleições legislativas de 17 de Março de 2002, embora em lugar não elegível, a Direcção do Sindicato dos Jornalistas discutiu o assunto na sua reunião semanal, tendo tomado posição pública num comunicado que divulgou em 6 de Fevereiro.

Resposta ao editorialista do Público

Ao abrigo do direito de resposta, mas sem reclamar a exactidão do local de publicação nem a proibição de réplica simultânea, o presidente do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas, Oscar Mascarenhas, enviou ao Público uma carta a António Granado, que aquele jornal inseriu na edição de 5 de Fevereiro de 2002.