Categoria: Geral

SJ em Cabo Verde para assinalar Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) vai participar na celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, a 3 de maio, na cidade da Praia, a convite da Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde (Ajoc), com o apoio da União Europeia em Cabo Verde. Com o tema “Jornalismo em tempos de pandemia”, a conferência-debate contará com uma intervenção de abertura do Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca. Seguir-se-ão três painéis de debate, com vários oradores, entre os quais a presidente da Direção do SJ, Sofia Branco. O Programa completo pode ser consultado aqui

7 Dias com os Media

É já na segunda-feira, 3 de maio, que começa a semana dos Media. O objetivo é debater a educação para os media, tema integrado na área de Cidadania e Desenvolvimento, e juntará participantes de todo o país, além de representantes do Conselho da Europa. Integrado na Operação Nacional 7 Dias com os Media, no próximo dia 3 de maio, irá decorrer  o 5.º Encontro Nacional de Educação para os Media, uma iniciativa da Direção-Geral da Educação e da Secretária-geral da Presidência do Conselho de Ministros. Dando continuidade aos encontros realizados em anos anteriores, o evento deste ano, subordinado ao tema “Práticas e Recursos”, visa proporcionar um espaço de reflexão e debate sobre a Educação para os Media, um dos domínios da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento. O 5.º Encontro Nacional de Educação para os Media contará com a presença do Senhor Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, estando prevista igualmente a presença do Senhor Secretário ler mais

Ameaças à liberdade de imprensa na Europa aumentaram 40% em 2020

A Plataforma para a Proteção do Jornalismo e Segurança dos Jornalistas revelou hoje, num relatório, que, em 2020, foram registados 201 casos graves de ameaças à liberdade de imprensa na Europa. Comparando com dados de 2019, verifica-se um aumento de 40% de casos de ameaças à liberdade de informação, assim com um número recorde de 52 ataques físicos a jornalistas e 70 casos de assédio ou intimidação. Nos 47 países do Conselho da Europa, as ameaças à liberdade de imprensa decorreram das restrições impostas a estes profissionais na sequência da aprovação de leis e regulamentos para combater a pandemia de covid-19. A Plataforma para a Proteção do Jornalismo e Segurança dos Jornalistas indica que os alertas que mais recebeu foram ataques à integridade física, assédio e intimidação e detenção de jornalistas. O documento analisa também as ameaças sérias à liberdade de imprensa, incluindo a impunidade de crimes contra jornalistas, relatando 24 casos de assassínio de jornalistas que ainda não tiveram consequências, bem ler mais

SJ condena agressões a repórter de imagem da TVI

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) repudia com veemência a agressão de que foi alvo um repórter de imagem da TVI por parte de um agente de jogadores, à saída do estádio do Moreirense, após o empate (1-1) entre a equipa da casa e o Futebol Clube do Porto. O SJ manifesta a sua solidariedade para com o repórter de imagem agredido.   O recurso à violência verbal e física contra os profissionais de comunicação social, seja qual for o pretexto, não é admissível numa democracia. Sendo a informação um bem público, o SJ reitera que a segurança no exercício de funções é fundamental para que os profissionais deste setor possam cumprir a sua missão de informar. A coação, as ameaças, as agressões e os insultos configuram crimes, perante os quais os órgãos de informação e os próprios jornalistas visados devem reagir, apresentando queixa junto das autoridades competentes. Sendo o crime público, impõe-se que o Ministério Público tome posição rapidamente, em defesa da liberdade ler mais

SJ critica ausência dos media no Plano de Recuperação e Resiliência

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) critica a total ausência de medidas de apoio ao jornalismo e dirigidas aos media no Plano de Recuperação e Resiliência apresentado pelo Governo. Perante esta situação, o SJ enviou várias propostas (consulte aqui), em sede de consulta pública, que espera ver acrescentadas ao plano inicial. O SJ assinala que o setor dos media é provavelmente o único que, apesar de sempre ter estado na linha da frente, não recebeu qualquer apoio extraordinário desde o início da pandemia, em março de 2020, num contexto de agravamento das dificuldades que já se vinham fazendo sentir para jornalistas e órgãos de informação.

Serviços do SJ retomam atendimento presencial

Os serviços do SJ vão retomar o atendimento presencial no próximo dia 26 de abril. A sede estará aberta de segunda a quinta,  entre as 10h30 e as 13h00 e as 14h00 e as 18h00. À sexta feira os serviços serão assegurados à distância. A delegação norte terá atendimento presencial de segunda a quinta, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00. À sexta-feira os serviços da delegação norte serão também assegurados à distância.

Cofina recusa diálogo com SJ

O Sindicato dos Jornalistas ( SJ) lamenta que a Administração da Cofina Media não tenha disponibilidade para reunir-se com a direção desta estrutura com vista ao esclarecimento do despedimento coletivo do grupo que vai  abranger 26 pessoas, seis das quais jornalistas. Dada a gravidade da situação, e atendendo ao facto de que  na Cofina não há comissão de trabalhadores ou comissões sindicais, o SJ considerou fundamental solicitar esta reunião, como aliás é  prática corrente em democracia. A solicitação do SJ foi, no entanto, declinada pela administração da Cofina o que demonstra  uma total falta de pudor em relação a uma situação que deixará no desemprego 26 pessoas. A discussão dos motivos que levam a este despedimento  coletivo, a possibilidade de se chegar a outras soluções para se ultrapassar os problemas são temas que deveriam juntar à mesma mesa a Cofina e o SJ  considerando  este último que a ação de um sindicato é procurar alternativas ao despedimento. A Cofina não tem este entendimento. O Sindicato  dos Jornalistas ( ler mais

António Valdemar eleito Personalidade do Ano Nacional pelo “O Mirante”

O jornalista António Valdemar, portador da carteira profissional n.º 1 e sócio n.º 51 do Sindicato dos Jornalistas (SJ), foi eleito Personalidade do Ano Nacional pela redação do jornal “O Mirante”. António Valdemar, jornalista com uma prestigiada carreira e associado atento e sempre disponível para “o seu sindicato” continua, aos 83 anos, a deliciar-nos com a sua prosa e os seus conhecimentos. A  Direção felicita António Valdemar por mais esta distinção.

SJ reúne-se com administração do jornal A Bola

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) reuniu-se na quarta-feira com a administração da Sociedade Vicra Desportiva, que detém o jornal A Bola e outros meios, no sentido de aferir da regularização do pagamento dos subsídios de férias e Natal aos trabalhadores, tendo a empresa assumido o compromisso de saldar a dívida “o mais brevemente possível”. Os jornalistas de A Bola, A Bola TV e Auto Foco – órgãos de informação detidos pela Sociedade Vicra Desportiva e pela Sociedade Vicra Comunicações – não receberam os subsídios no tempo definido por lei. Posteriormente, a empresa procedeu ao pagamento, em dezembro, de um quarto do valor de cada um dos subsídios. “A empresa reconhece a dívida e pretende liquidá-la o mais brevemente possível”, assegurou o gestor Paulo Cardoso, em nome da administração. Sobre os três quartos por regularizar, disse que “a dívida que existe vai ser reduzida a muito breve trecho”, em mais um quarto, “mal a empresa tenha receitas”, Porém, a empresa não ler mais

SJ vai contestar decisão do CSMP sobre vigilância a jornalistas

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) vai contestar juridicamente a decisão do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP), conhecida na terça-feira, de arquivar o processo de averiguação aberto a duas procuradoras que mandaram a PSP vigiar dois jornalistas. A decisão – que decorre de um pedido do SJ, enviado em janeiro à procuradora-geral da República (PGR), no sentido do apuramento de responsabilidades no caso referido – consente uma clara violação do sigilo profissional dos jornalistas e da proteção das fontes de informação, colocando constrangimentos ao exercício de um jornalismo livre e independente, fundamental em democracia. O CSMP considerou que as duas procuradoras do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa não violaram deveres funcionais, apreciação da qual o SJ, apoiado pelo seu gabinete jurídico, discorda profundamente e fará por ver avaliada por outras instâncias, em defesa da liberdade de imprensa. O SJ levará até às últimas consequências a defesa deste caso, que considera um precedente grave – para jornalistas e ler mais