Categoria: Destaque

SJ solidário com trabalhadores da TSF

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) reitera  o seu  apoio à luta dos trabalhadores da TSF, que  decidiram dar um prazo  aos acionistas do Global Media Group (GMG) para  esclarecerem a anunciada reestruturação do grupo, a qual contestam, a situação financeira do mesmo, os motivos que levaram à demissão do diretor da rádio, Arsénio Reis, e ainda o plano traçado para o futuro da rádio.   Findo esse prazo, os trabalhadores admitem recorrer a diversas formas de luta, incluindo a greve. A decisão,  tomada em plenário  a 15 de novembro, decorreu da “instabilidade criada com a referida reestruturação do GMG, ao qual pertence a TSF, agravada por atrasos no pagamento de salários a trabalhadores efetivos e colaboradores” e ainda da falta de informações claras e concretas sobre todas estas questões. O SJ está solidário com os trabalhadores da TSF, lembrando que acompanha, desde o final de 2018,  a situação dos restantes trabalhadores do Global Media Group, reiterando  a sua total disponibilidade para os continuar a apoiar e a defender. ler mais

Sindicatos exigem o reforço da Autoridade para as Condições do Trabalho

Os Sindicatos filiados nas duas Centrais Sindicais, Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional (CGTP-IN) e União Geral de Trabalhadores (UGT), e o Sindicato dos Jornalistas, independente, que, juntos, representam mais de um milhão de trabalhadores/as, vão apresentar um Manifesto sobre a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que reivindica uma ação célere e eficaz deste organismo fundamental para assegurar a proteção dos direitos dos/as trabalhadores/as. O documento "POR UMA ACT MAIS EFICAZ NA GARANTIA DOS DIREITOS LABORAIS", presente no final da notícia, e será entregue formalmente pelas três entidades subscritoras à ministra do Trabalho e à Inspetora Geral do Trabalho, a quem serão pedidas audiências. O ato público de assinatura do documento está agendado para dia 13, quarta-feira, às 12h, na sede do Sindicato dos Jornalistas, Rua dos Duques de Bragança, 7 E, ao Chiado. Documento "POR UMA ACT MAIS EFICAZ NA GARANTIA DOS DIREITOS LABORAIS".

Grande maioria dos assassínios de jornalistas fica impune

Cerca de 90 por cento dos responsáveis por assassínios de jornalistas registados entre 2006 e 2018, em todo o mundo, nunca foram punidos, segundo a agência da Organização das Nações Unidas para a Cultura, a Educação e Ciência (UNESCO). O relatório da UNESCO – publicado no âmbito da jornada internacional para o fim da impunidade para os crimes cometidos contra jornalistas, que se assinala a 2 de novembro – contabiliza 1.109 jornalistas assassinados no mesmo período, apontando os Estados árabes como o espaço geográfico onde se registaram mais mortes, representando 30 por cento do total, seguindo-se América Latina e Caraíbas (26%) e Ásia-Pacífico (24%). O relatório refere ainda que os jornalistas locais que trabalham temas relacionados com corrupção e política representam 93 por cento dos assassínios dos últimos dez anos. Ao mesmo tempo, destaca-se que este tipo de crime aumentou 18 por cento entre 2014 e 2018, face aos cinco anos precedentes. A propósito do mesmo tema, a Federação Internacional ler mais

SJ exige respeito pelo Estatuto do Jornalista e pela Lei de Imprensa no futebol

O Sindicato dos Jornalistas condena a atitude do Sport Lisboa e Benfica (SLB) em vedar o acesso a um jornalista do Jornal de Notícias (JN), destacado para fazer a cobertura do jogo com o Portimonense, na quarta-feira à noite, no Estádio da Luz. Considerando que a recusa de credenciação de um jornalista, sem qualquer justificação, viola os artigos 8.º, 9.º e 10.º do Estatuto do Jornalista, bem como os artigos 2.º e 22.º (alínea b) da Lei de Imprensa, o SJ: 1 - Junta-se ao jornalista em causa, de forma solidária, destacando a sua persistência, no local, para com o seu dever de informar e de resistir a quebras das regras legais em matéria do acesso dos jornalistas à informação; 2 - Junta-se ao JN, louvando a sua atitude de apresentar queixa nas autoridades e defendendo, não só o profissional que está ao seu serviço e da liberdade de informação, como o Jornalismo em si e aqueles que contra ele ler mais

Casimiro Simões lança “Pessoas, Pensamentos e Palavras”

O novo livro do jornalista Casimiro Simões,“Pessoas, Pensamentos e Palavras”, é apresentado hoje, dia 26 de outubro, na Filarmónica Lousanense, na Lousã. O novo livro de Casimiro Simões abre com um poema do cantor José Mário Branco e tem prefácio de Teresa Alegre Portugal, que também apresenta a obra. “Pessoas, Pensamentos e Palavras” é uma seleção de histórias verdadeiras e várias de ficção, entre inéditas ou já editadas em livros e outras publicações, com destaque para os jornais Campeão das Províncias, Diário As Beiras, Notícias de Coimbra, Trevim e o extinto Jornal de Coimbra. O livro inclui 77 textos, entre crónicas, contos, sátiras, outras ficções e ainda um poema alusivo aos 45 anos do 25 de Abril. O jornalista na agência Lusa e antigo diretor do jornal Trevim evoca dezenas de figuras, públicas e menos conhecidas, maioritariamente ligadas a Coimbra, Lousã, Penela, Miranda do Corvo e Castanheira de Pêra. A personagem central da coletânea é o advogado e escritor António Arnaut, entretanto falecido. ler mais

Projeto Literacia para os Media e Jornalismo marca presença no Folio

O projeto Literacia para os Media e Jornalismo, organizado pelo Sindicato dos Jornalistas e pela Direção-Geral da Educação, vai marcar presença no Folio, Festival Literário Internacional de Óbidos, que decorre de 10 a 20 de outubro. "Fake News: nascem do medo, fabricam o medo. Como combatê-las" é o tema da oficina, para 30 participantes, conduzida por Miguel Crespo, professor e jornalista, e Susana Tavares, da Direção-Geral da Educação. Perante o panorama mediático atual, marcado pela omnipresença dos media e pelos mecanismos tecnológicos, a necessidade de capacitar professores e alunos para um consumo informado e crítico dos conteúdos difundidos pelos meios de comunicação social é uma prioridade. Preparar as futuras gerações para a apreensão crítica da informação num mundo crescentemente mediatizado é não só uma necessidade, mas um direito humano fundamental. Assim, o projeto Literacia para os Media e Jornalismo enquadra-se numa lógica de Educação para a Cidadania, integrando-se nos novos desafios e medidas políticas educativas atuais. Concebido por jornalistas e ler mais

Morreu o jornalista Rogério Rodrigues

O jornalista Rogério Rodrigues morreu nesta terça-feira, em Lisboa, aos 72 anos. Rogério Rodrigues começou profissão no Diário de Lisboa, em 1974, de onde saiu, em 1981, para o semanário O Jornal. Passou pela revista Sábado e, em 1990, integrou a redação do Público. Em 1992, voltou a'O Jornal. Foi diretor-adjunto do jornal A Capital. O jornalista Luís Osório, ao tempo diretor d'A Capital, escreveu, na sua página de Facebook: "O Rogério foi o melhor, o mais extraordinário jornalista que conheci. (...) Ninguém escrevia sobre política como o Rogério. Nem sobre o Partido Comunista. Ou Álvaro Cunhal - no dia em que o conheci, na redação do semanário O Jornal, acabara de publicar um perfil sobre o histórico líder comunista, levei o jornal para casa e adormeci a sonhar com o dia em que escreveria como ele. " O velório realiza-se nesta sexta-feira, a partir das 18h00, na Igreja da Amadora, e o funeral decorrerá no sábado, dia 12, pelas 14h00, ler mais

SJ recebido por Administração da Cofina

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) foi hoje recebido pela Administração da Cofina Media, a quem pediu esclarecimentos sobre o negócio da compra do Grupo Media Capital. A Administração da Cofina frisou que o negócio ainda não está feito e garantiu desconhecer que efeitos práticos e que formas este poderá assumir. A Administração realçou que está focada em gerir a Cofina Media e apenas esta. Por outro lado, escusou-se a fazer comentários sobre os eventuais efeitos na pluralidade, remetendo essa questão para as Direções editoriais dos vários órgãos de informação do grupo. A Administração considera que a Cofina vive um "cenário de perfeito equilíbrio dentro das vicissitudes do setor". O SJ está preocupado com o impacto editorial e laboral do negócio da compra da Media Capital pela Cofina, sobre o qual nem a Autoridade da Concorrência, nem a Entidade Reguladora para a Comunicação Social se pronunciaram ainda. O SJ considera que a excessiva concentração dos média tem repercussões ao nível da pluralidade e ler mais

Eleições de 6 de outubro de 2019 – Caderno Reivindicativo do Sindicato dos Jornalistas

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 6 DE OUTUBRO DE 2019  CADERNO REIVINDICATIVO DO SINDICATO DOS JORNALISTAS   O jornalismo é um pilar fundamental da democracia, um compromisso com a liberdade e a independência, a pluralidade e a diversidade, a dignidade humana e o bem-estar social. Num momento tão importante como o das eleições de 6 de outubro, importa assinalar que o jornalismo não se reduz ao dever de informar, cabendo-lhe escrutinar os poderes, vigiando-os, assacando-lhes responsabilidades, denunciando promessas não cumpridas. Porém, esta é uma missão sob ameaça – pelo desemprego, pela precariedade, por ataques à liberdade individual e coletiva dos/as trabalhadores/as. O jornalismo em Portugal conhece a mais alta taxa de desemprego de sempre. O trabalho fantasia-se de independente, quando, na verdade, se faz precário e o estágio dura anos a fio, em redações sem tempo nem disponibilidade para formar ninguém. A precariedade não escolhe idades e os salários são indignos para uma profissão com tamanha responsabilidade social – um terço dos/as ler mais